PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Lidando com a rebeldia dos pequenos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Lidando com a rebeldia dos pequenos

Lidando com a rebeldia dos pequenos

17/03/2016
  1275   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Quantas vezes não nos sentimos ameaçados pelos filhos que teimam, que fazem birra, que se rebelam e não sabemos o que fazer. Isso é muito comum para os pais e absolutamente normal. Nos sentimos desarmados (no bom sentido), sem saída e acabamos por entrar no jogo deles, muitas vezes cedendo, muitas vezes entrando em um embate desgastante. O site Zero to Three (Zero a três) traz um artigo interessante onde lista e aconselha formas de lidar com essa rebeldia. Aproveito para compartilhar aqui os pontos que levanta.

Começando com os menores, de bebê até os 18 meses. Nesse estágio eles ainda  não tem a capacidade de pensar em desafiar seus pais totalmente desenvolvida. Quando não respondem a uma solicitação dos responsáveis, estão agindo por impulso e não tentando manipular os outros. Nessa fase eles ainda não tem a habilidade de dizer para si mesmo: “Eu vou agarrar esse vidro mesmo minha mãe dizendo não”. Como não têm ainda compreensão lógica e ainda não dominaram o auto-controle, simplesmente não entendem regras. Logo, com essa idade, a melhor resposta é o redirecionamento. Por exemplo, segure gentilmente e tire o objeto de sua mão ou retire o bebê dessa situação inadequada, enquanto respeita seus sentimentos: “Eu sei que esse vidro parece interessante, mas ele não é para brincar.” Então dê outro brinquedo ou objeto que seja seguro para ele explorar.

Já na fase entre os 18 e os 26 meses eles entendem e começam a seguir orientações simples, como: “pegue a bola”. A partir de aproximadamente 18 meses as crianças estão começando a perceber que são separadas dos outros, que têm seus próprios pensamentos e sentimentos que podem ser diferentes dos demais e estão ansiosas para deixar sua marca no mundo. Uma forma que costumam mostrar sua independência é desafiando seus pais. É quando começam a responder “não! Ficarei em casa!” quando a mãe fala que está na hora de se arrumar para ir para a creche, por exemplo.  Esse tipo de desafio é típico dessa idade já que eles estão ávidos para ter certo controle sobre o mundo e fazer suas próprias escolhas.

Então, como responder a esses desafios e comportamentos opositores. O que se pode fazer? Aí vão algumas dicas:

 

Primeiro passo – Previna-se

Antecipe os tipos de situações que levam a desafios por sua criança e ajude-a a resolver um problema e lidar com ele adiantando-se. Isso pode significar deixar seu filho saber que você entende que sair de casa e ir para a creche é difícil para ele, e depois oferecer que ele leve um livro ou um brinquedo no caminho para ajudá-lo a fazer essa transição. Uma forma é dar um aviso antes de uma transição ter que ser feita. Você pode utilizar um relógio para que ele controle o tempo, por exemplo, ou montar um quadro com figuras que mostrem os passos da rotina diária, o que pode ser uma boa ferramenta de auxílio. Figuras que mostrem escovação de dentes, lavagem de rosto, leitura e depois cama ajudam a mostrar às crianças o que está por vir e qual a seqüencia esperada. Para os mais velhos, dê pistas concretas sobre as transições, como: “desça mais 3 vezes no escorregador e depois vamos embora.” É muito importante que essas instruções sejam então seguidas, especialmente dentro do seu limite enquanto mãe.

 

Segundo passo: Responda com empatia e determine limites claros

Valide os sentimentos de seu filho. Como pais, normalmente pulamos esse passo e vamos direto a determinação de limites. Mas perceber os sentimentos dos filhos primeiro é muito importante e permite que ele saiba que seus sentimentos importam. (Tenha em mente que não são seus sentimentos o problema, mas o que ele faz com isso que é o desafio). Para muitas crianças, esse passo – empatia e validação – a ajudam a ficar calmo. Nomear seus sentimentos também auxilia-as a aprender a ficar atentas às suas emoções e, eventualmente, lidar com elas. Utilize uma linguagem simples e direta: “Eu sei que você não quer colocar seu pijama. É difícil parar de brincar para ir para a cama, mas agora está na hora.” Quando você pula esse passo, a criança “aumenta o volume”, para demonstrar – mais alto, mais forte – como está contrariada. É nessa hora que começam os ataques de raiva.

 

Depois de validar esses sentimentos de seu filho

 

  • Determine o limite. “É hora de ir para a cama. Você precisa dormir para que seu corpo descanse e cresça maior e mais forte”. Utilize uma linguagem que seu filho entenda: breve e clara, mas não ameaçadora.
  • Ofereça uma nova opção (que seja aceitável a você). “Você quer colocar seu pijama antes ou depois de lermos livros?” ou “ Você quer colocar seu pijama sozinho ou quer que o papai coloque em você?”. Pode-se também oferecer uma escolha entre duas roupas de dormir que ele queria vestir. Dar escolhas permite à criança a chance de sentir-se em controle de maneira positiva. Oferecer escolhas pode, realmente, reduzir a rebeldia.
  • Use o Humor. Este é um ótimo caminho para retirar um pouco da intensidade da situação e colocar “uma distração”  quando há uma disputa de poder. Tente, por exemplo, puxar o pijama de seu filho pela cabeça, ou ver se ele cabe no bicho de pelúcia de estimação.
  • Envolva a imaginação de seu filho: Quando ele estiver se recusando a ir para a cama diga: “Elmo está tãããão cansado! Ele quer dormir e quer que você o abrace.” Ou, se estiver se recusando a guardar as coisas: “Seu livro favorito quer voltar para a estante com seus amigos. Vamos ver em quanto tempo conseguimos colocá-lo de volta.”
  • Reforce o limite: Se nenhuma das opções acima funcionar, e seu filho ainda estiver teimando, firme e calmamente estabeleça o limite. “Você pode ir sozinho para a cadeirinha do carro ou eu posso colocá-lo lá. Você decide.” Se ele resistir, então (sem raiva), pegue-o e coloque-o na cadeirinha. Com uma voz que acalme pode dizer algo como: “Eu sei que você detesta andar na cadeirinha. Eu entendo.” Ou, simplesmente comece a falar sobre outro assunto, completamente desvinculado com a disputa em questão. “Nossa, olhe aquele cachorro enorme andando na rua.” Ou, “O que será que terá de lanche na escola hoje.”
  • Evitar ceder. Se ceder aos acessos de raiva, seu filho aprenderá que se ele forçar o suficiente, conseguirá o que quer. Isso também tornará mais difícil estabelecer um limite da próxima vez.

A dica é dar a menor atenção possível aos protestos de seu filho. Ignorando o comportamento que quer eliminar é o caminho mais rápido de se livrar dele. (A única exceção a essa regra é se seu filho está se machucando – batendo, socando etc… – nesse caso deve-se calma, mas de maneira firme, parar esse comportamento e explicar que ele pode ficar bravo mas não pode bater.)

Terceiro passo: Pense a respeito de seu comportamento. Será que está passando mensagens confusas para seu filho?

Às vezes nossas próprias escolhas e comportamentos como pais podem influenciar o comportamento de nossos filhos. Abaixo seguem algumas estratégias para dois dilemas muito comuns que normalmente levam a acessos de raiva e atitudes desafiadoras das crianças pequenas.

– Evite a armadilha do “tá bom?”. “Vamos para a cama agora, tá bom? Hora de se vestir, tá bom?”. Apesar de ser uma forma muito comum dos adultos se comunicarem é confuso para as crianças pequenas. Elas levam ao pé da letra e acham que tem a escolha de dizer: “Não, eu prefiro não ir para a cama agora.” Isso pode criar um conflito de poder desnecessário. Esteja certo de comunicar claramente o que é e o que não é realmente uma escolha. “Está na hora de colocar o pijama e ir para a cama. Você quer o pijama verde ou o azul?”, por exemplo.

– Tenha em mente o limite que quer estabelecer para que não corra o risco de mudar de opinião no meio do caminho. Por exemplo, uma mãe insistia que seu filho usasse uma camiseta de manga comprida no inverno e ele começou a protestar porque queria vestir a sua blusa de manga curta preferida. Depois de cinco minutos de embate a mãe acabou por perceber que era desnecessário travar essa batalha, pois ele estaria com um casaco por cima. Mas nesse ponto, naturalmente, preocupou-se em ceder e permitir que o filho vestisse o que queria estabelecendo um precedente; ou seja, isso iria ensiná-lo que toda vez que quisesse algo iria conseguir. A forma mais fácil de evitar esse dilema é parar por alguns segundos para pensar antes de agir: “Este é um limite que precisa ser definido?” Podemos chamar essa decisão de “escolhendo as batalhas”.

São exemplos do dia a dia, vivenciados pelos pais a toda hora, e dicas de como contorná-los. Certamente os embates, as rebeldias não cessarão de vez, mas seguindo-os diminuirão, e com certeza, auxiliarão a lidar com eles.

Fonte: http://www.zerotothree.org/child-development/challenging-behavior/coping-with-defiance.html

Letícia Rangel

Letícia Rangel

Letícia Rangel é psicóloga clínica, com especialização em Psicanálise pelo Instituto Sedes Sapientiae e Conexão Lacaniana. Ex-membro do grupo de estudos do Instituto Praxxi- Centro de Estudos dos Sintomas da Contemporaneidade. E mãe.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade