PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Lidar com o luto: Crianças devem assistir a funerais e ou velórios
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Lidar com o luto: Crianças devem assistir a funerais e ou velórios

Lidar com o luto: Crianças devem assistir a funerais e ou velórios

05/09/2018
  2286   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Alguns pais me perguntam, enquanto pediatra, se é apropriado permitir que seus filhos participem do funeral. A maioria dos especialistas concorda que as crianças devem ter permissão para participar do funeral ou velório se quiserem.

Participar de cerimônias dá ao seu filho uma chance de processar o que aconteceu, chorar, dizer adeus a uma pessoa querida por ele e lidar com o luto de maneira saudável. Explique o que acontece nos funerais, inclusive que algumas pessoas podem estar chorando e que o corpo do falecido estará em um caixão. Então deixe seu filho decidir se ele quer ir.

Se uma criança está com medo, não o force a ir. Em vez disso, encoraje-o a honrar a pessoa de outro modo que seja significativo para ele.

Se ele não comparecer aos serviços formais, assegure-se de que ele ainda experimente o benefício resultante do luto com os entes queridos e permita que ele tenha lembranças da pessoa.

Crianças nunca devem se preocupar ou lidar com o luto sozinho. Autores e pesquisadores do assunto, dizem que quando um pai está doente, devem dizer às crianças que não se preocupem sozinhas, mas que compartilhem suas preocupações com um dos pais ou outro adulto responsável.

Preocupar-se com a criança, para que os desafios sejam enfrentados como uma equipe de pais e filhos, evita que as crianças se sintam sozinhas ou sobrecarregadas, modela boas habilidades para resolver problemas e melhora a resiliência.

Muitos pais e filhos precisam de ajuda para iniciar uma conversa sobre situações emocionalmente desafiadoras. As crianças são mais propensas a falar com adultos que ouvem com curiosidade e respeito.

Pedir a uma criança que conte a um pai o que ela ouviu ou notou é, geralmente, um bom lugar para começar. Depois de ouvir da criança, o pai pode conectar as observações da criança à situação que está sendo enfrentada.

Outras abordagens para abrir uma conversa poderiam ser pedir à criança que diga aos pais como ele explicaria essa experiência desafiadora ou sentimento difícil a um amigo ou colega de classe ou perguntar a uma criança o que outras pessoas que não viveram essa experiência ficariam surpresas em aprender.

Uma criança mais velha que reluta em mostrar tristeza por uma experiência perturbadora pode responder à pergunta: “Qual é a coisa mais idiota que alguém já disse a você?” As melhores conversas entre pais e filhos são aquelas em que a criança fala três vezes mais do que os pais.

Como pais, gostaríamos que pudéssemos proteger nossos filhos da tristeza e da perda. Infelizmente, a perda será sempre uma parte da vida, e se prepararmos nossos filhos para lidar com o luto de maneira saudável, eles estarão mais propensos a se recuperar.

Com o seu amor e orientação, o seu filho pode passar pela morte de um ente querido e construir habilidades de enfrentamento importantes que lhe permitirão permanecer resilientes quando ele inevitavelmente for confrontado com a perda novamente no futuro.

Lembre-se primeiro de cuidar de si mesmo. Você não será capaz de dar ao seu filho o tipo de apoio que ele precisa se você não tiver endereçado sua própria necessidade de sofrer.

Cuidar de si mesmo é um dos atos mais estratégicos da boa educação dos filhos, porque garante que você esteja totalmente presente e seja capaz de oferecer amor e orientação ao seu filho no momento de sua necessidade.

Saiba mais sobre este assunto nos posts do blog do Hospital Infantil Sabará:

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics June 2017

Variations in Cause-of-Death Determination for Sudden Unexpected Infant Deaths

Carrie K. Shapiro-Mendoza, Sharyn E. Parks, Jennifer Brustrom, Tom Andrew, Lena Camperlengo, John Fudenberg, Betsy Payn, Dale Rhoda

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade