PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Malária, próximo do fim?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Malária, próximo do fim?

Malária, próximo do fim?

08/05/2018
  605   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Quando li esta notícia fiquei muito feliz. Primeiro porque mais uma doença terrível que aniquila milhões de vidas de crianças tem uma possibilidade de ser extinta nas próximas décadas e isso ocorre graças ao esforço de um grupo de pessoas e governos de países desenvolvidos liderados pelo filantropo Bill Gates e sua Fundação (Bill & Melinda Gates Foundation – BMGF). Talvez um dia nossa fundação possa ter recursos suficientes para também ajudar em doenças no nosso país.

A doença é quase tão antiga quanto a própria humanidade e afetava quase todas as regiões do mundo, incluindo grande parte do sul da Europa e dos Estados do sul dos EUA, onde foi erradicada apenas em meados do século passado. Houve um grande esforço para erradicar a doença nos anos cinquenta e sessenta, mas quando o foco global mudou a malária voltou com uma vingança, ganhando um estrangulamento na África. Mas agora a ciência está trazendo as grandes armas em uma tentativa de destruí-la. Estão em jogo quase meio milhão de vidas por ano. Um segundo impulso na última década fez inicialmente um grande avanço, reduzindo os casos em cerca de 20% em apenas cinco anos. No entanto, mais uma vez o progresso diminuiu, com mais cinco milhões de casos em 2016 do que no ano anterior.

Em 2016, o último ano para o qual existem dados disponíveis, estima-se que existam 216 milhões de casos de malária em todo o mundo, a maioria dos quais ocorridos na África Subsaariana. Dos infectados, 445.000 pessoas morreram – 1.219 vidas perdidas todos os dias, ou quase uma por minuto. E 70% dessas mortes são em crianças menores de cinco anos. Para as crianças é uma doença particularmente devastadora.

Agora, uma grande nova luta está sendo planejada. A Organização Mundial de Saúde (OMS) acredita que estamos em uma “encruzilhada” e os avanços na ciência significam que deve ser possível – com o foco certo, financiamento e cooperação internacional – erradicar a doença até 2030.

A malária é muito mais complexa do que outras doenças, como varíola e poliomielite, que cederam ao avanço científico. Para combatê-la, os especialistas estão travando uma guerra em três frentes: o próprio parasita da malária, o mosquito que o transporta e os comportamentos humanos e condições de vida que podem alimentá-lo e fazê-lo se espalhar.

Pedro Alonso, diretor do programa global de malária da OMS, acredita que a única maneira pela qual a malária será erradicada de uma vez por todas é com uma droga, vacina ou uma nova ferramenta de controle.

Um desses concorrentes é uma técnica de controle genético de mosquitos que está sendo desenvolvida por um consórcio global de pesquisadores, liderado pelo Imperial College London.

A doença é transmitida apenas pelo mosquito fêmea, então os pesquisadores estão usando uma técnica avançada de edição de genes – a recém-desenvolvida ferramenta para interferir com os mosquitos Anopheles gambiae, de modo que eles só carregam óvulos machos. Esse conserto evolucionário é chamado de drive gênico, no qual uma espécie inteira é “persuadida” a adotar um gene. Os pesquisadores acreditam que depois de 20 gerações de mosquitos – cerca de dois anos – a modificação genética se instalará e os culpados que carregam a malária morrerão.

Atualmente, os pesquisadores estão analisando quantos mosquitos devem ser liberados, bem como quando e onde devem ser liberados. Eles também estão analisando o impacto que um mosquito geneticamente modificado teria no meio ambiente local.

Espera-se que isso acelere o desenvolvimento de novos medicamentos, além de economizar tempo no desenvolvimento de alvos que provavelmente não funcionarão contra o parasita.

Embora o lançamento da vacina seja um marco na história da guerra contra a malária, ela não provou ser o fator de mudança que tanto desejava. Testes clínicos apenas reduziram o número de mortes em 40% e a vacina também precisa ser administrada em quatro estágios – especialistas acreditam que o intervalo de 18 meses entre a terceira e a quartas doses pode ser um obstáculo.

Telas de cama (mosquiteiros) tratadas com inseticida de longa duração e pulverização interna com inseticida têm sido a base do controle da malária nas últimas décadas. No entanto, eles são uma ferramenta imperfeita.

Em muitos países com malária endêmica, é quente demais para dormir sob as redes e, na África, o mosquito está desenvolvendo resistência ao inseticida. Pesquisadores do London School of Hygiene & Tropical Medicine (LSHTM) acabam de anunciar os resultados de um novo estudo que mostrou que mosquiteiros tratados com dois produtos químicos reduziram a prevalência de malária em 44%, em comparação com uma rede de leito padrão tratada com o inseticida padrão. O estudo também mostrou que a pulverização interna usando o inseticida reduziu a taxa de infecção por malária em 48%.

Outros métodos de controle incluem a introdução de armadilhas para mosquitos e novas técnicas para impedir que mosquitos entrem na casa.

Mas, embora as soluções de alta tecnologia sejam bem-vindas, a vontade política e o financiamento também são urgentemente necessários. Segundo a OMS, o montante do financiamento para a doença diminuiu nos 34 países mais afetados pela malária. Em 2016, US $ 2,7 bilhões foram investidos na luta contra a doença – mas isso representa apenas 41% do que a OMS considera necessário para atingir suas metas.

Fundação Bill e Melinda Gates anunciou três doações no total de US $ 258,3 milhões para o desenvolvimento avançado de uma vacina contra a malária, novos medicamentos e métodos inovadores de controle de mosquitos para combater a malária, uma doença que mata 2.000 crianças africanas todos os dias. As três concessões anunciadas hoje incluem o seguinte:

1- US $ 107,6 milhões para a PATH Malaria Vaccine Initiative (MVI) para trabalhar com a GlaxoSmithKline Biologicals e investigadores africanos para concluir os testes e solicitar o licenciamento da vacina mais avançada contra a malária;

2- US $ 100 milhões para o Medicines for Malaria Venture (MMV) para trabalhar com parceiros do setor público e privado para acelerar o desenvolvimento de vários novos medicamentos promissores por meio de aprovação regulatória;

3- US $ 50,7 milhões para o Innovative Vector Control Consortium (IVCC), liderado pela Escola de Medicina Tropical de Liverpool, para acelerar o desenvolvimento de inseticidas melhorados e outros métodos de controle de mosquitos.

Em suma, a humanidade pode estar à beira de aniquilar um de seus mais antigos e mais mortais inimigos pelo esforço de pessoas que querem o bem comum.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte:

https://www.telegraph.co.uk/news/the-war-on-malaria/?linkId=50715003

https://www.gatesfoundation.org/Media-Center/Press-Releases/2005/10/Gates-Foundation-Commits-2583-Million-for-Malaria-Research

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade