PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Meninos e Meninas: “Todo mundo pode ser o que quiser, né?”
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Meninos e Meninas: “Todo mundo pode ser o que quiser, né?”

Meninos e Meninas: “Todo mundo pode ser o que quiser, né?”

29/09/2016
  1139   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Num dos momentos de parque na escola, um menino de 4 anos, vestido com a fantasia de Branca de Neve se aproxima e me pergunta “Todo mundo pode ser o que quiser, né? Mas não é que quem inventou essas fantasias e roupas de super-heróis pensou que era para um menino?”. Sem que ao menos eu tivesse tempo para verbalizar minha resposta ele sai correndo e volta à brincadeira. Ele voltou para o mundo do faz-de-conta e eu fiquei com a sua reflexão.

Uma reflexão sobre as questões de gênero na infância. Sobre os estereótipos que vamos afirmando de diversos modos. E com eles limitamos as ações das crianças e a possibilidade de exercerem a sua criatividade. Sim, digo da criatividade, pois para além do ser menino e menina impossibilitamos que novas brincadeiras sejam criadas e experimentadas pelas crianças. Nós e elas ficamos cegos para todas as cores e ficamos apenas com o rosa e o azul.

Na Casa Ubá recebemos crianças andantes até os 10 anos e ouvimos em diversas situações, das próprias crianças que certas coisas são para as meninas e outras para os meninos.

“Não quero brincar disso, porque isso é brincadeira de menininha!”

“Ele não pode usar o lápis rosa, porque ele é menino e rosa é de menina.”

“Não vou mais vestir a fantasia da Branca de Neve porque é só para meninas.”

“Meninas não jogam futebol.”

Não se ouve só das crianças, mas também dos adultos em diversas situações, talvez com falas mais sutis sobre o assunto.

“Olha como ela já sabe se sentar que nem mocinha.”

“Desde pequena (um ano e pouco) ela já sabe segurar com tanta propriedade uma boneca”

Uma menina de um ano e pouco só sabe segurar com tamanha propriedade uma boneca porque lhe deram bonecas de presente. Poderíamos nos perguntar se de fato há uma certa aptidão de nascença para meninos e meninas. Ou então, nos perguntar se ela tem carrinhos. Pois se tivesse seria possível que esta fala fosse um pouco diferente. Do mesmo modo, por que perguntamos para um menino que time ele torce e para as meninas não?

Se pensarmos no que cada brincadeira possibilita para as crianças experimentarem estamos condicionando e limitando comportamentos, não opções sexuais. A brincadeira com a boneca, por exemplo, traz a questão do cuidado com o outro, tão importante para todos, sejam meninas ou meninos. Do mesmo modo os super heróis são sempre muito corajosos, característica que entra pouco nas brincadeiras das meninas, o que faz com que quase não experimentem um certo empoderamento.

O menino que me perguntou aquela questão, não esperou o meu retorno, pois talvez esta resposta já estivesse bem clara. Aqueles que inventaram as fantasias, sim pensaram que era para meninos. Mas inventamos no coletivo. Todos nós inseridos nesta mesma cultura que define papéis masculinos e femininos e que desde pequenos impregnamos de sentido as brincadeiras das crianças.

Afinal “Todo mundo pode ser o que quiser?”. Queremos garantir que as crianças possam brincar e experimentar serem o que quiserem ser. Que as cores não sejam esquecidas e possam se misturar.

Bruna Mutarelli

Bruna Mutarelli

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade