PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Nana Nenê… Que a Cuca vem pegar!
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Nana Nenê… Que a Cuca vem pegar!

Nana Nenê… Que a Cuca vem pegar!

16/06/2015
  1788   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

 

Problemas do sono dos filhos e métodos para ensiná-los a dormir são assuntos discutidos em grupos de mães. A principal polêmica é: O meu filho vai ter que chorar?!

O livro Bom Sono (Ed. Celebris) é um dos mais famosos sobre o tema, do médico Richard Ferber, professor de neurologia na Harvard Medical School e diretor do Centro Pediátrico de Transtornos do Sono do Children’s Hospital, de Boston. Ele é um dos pioneiros na chamada técnica de choro controlado. O livro de Ferber propõe que o bebê seja deixado acordado no berço e, assim que começa o choro, é preciso esperar alguns minutos antes de entrar no quarto para tranquilizá-lo (sem pegar no colo) e sair novamente, aumentando gradativamente o tempo de espera.

No Brasil o livro mais conhecido nesta linha é o “Nana Nenê” (Ed. Martins Fontes), do médico espanhol Eduard Estivill, diretor da Unidade de Alterações do Sono do Instituto Dexeus, de Barcelona. O objetivo é ensinar o bebê/criança a dormir em seu berço, sem ajuda e a noite toda.

O choro da criança, ao ser colocada acordada no berço para, neste local, iniciar o sono, não deveria ser considerado como parte dos métodos, mas consequência do problema”. Com assim? Simples: o bebê (acima de seis meses) ou criança que sabem dormir sem ajuda, deitam (no máximo resmungam, choramingam um pouco (isto vai até a adolescência), se viram até achar a sua posição, pegam tudo do que precisam para se auto confortarem (entradas de sono) e dormem a noite toda. Aquele que não aprendeu a dormir sem auxilio, vai chorar pedindo por aquilo que o faz adormecer em um ciclo vicioso, madrugada adentro.

Crianças e bebês precisam de noites de sono restauradoras e constantes para que se desenvolvam bem, independentemente do hábito para adormecer. Além disso, também precisam de uma mãe, pai e até mesmo babá descansados e disponíveis para cuida-los no dia-a-dia.

Passear de carro na madrugada ou de carrinho no condomínio, segurar os cílios, cotovelo, lobo da orelha, cabelo da mãe ou do pai, peito, mamadeira, são alguns exemplos de hábitos até mesmo bizarros, que os pais lançam mão para fazerem os filhos adormecerem. Se somente fosse necessário uma destas atitudes às 20h00min para que seus filhos dormissem a noite toda, mesmo que trabalhosos, estes hábitos não seriam um problema. No entanto se a criança necessita disso toda vez que desperta (diga-se de passagem também aos berros), ela vai recorrer a estes para voltar a dormir não importa a hora. O problema não é as crianças acordarem no meio da noite (todos nós temos breves despertares) mas o fato de não conseguirem retomar o sono sem ajuda.

Sendo assim, estes bebês e crianças precisam de um tempo para se apropriarem de novos hábitos para que, no meio da noite, tudo do que precisam para retomar o sono, estejam lá com eles (chupeta, naninha ou uma posição preferida). Um menino de pouco mais de um ano, sempre adormecia segurando a mão da mãe, esta situação se repetia toda a vez que ele despertava chorando, no meio da noite. Isto ocorria várias vezes e, tanto a criança quanto a mãe estavam exaustos. Após o processo de reeducação de sono ele não abriu mão da mão, mas foi possível trocar a da mãe pelo do seu boneco de pelúcia. Pela câmera da babá eletrônica a mãe via que, na madrugada, ele até acordava mas logo pegava na mão do boneco quando esta escapava e retomava o sono sem precisar de ajuda. Um despertar rápido, sem choro e sem prejudicar o sono. Como o boneco (novo hábito) permanecia a noite toda com ele o sono passou a ser continuo. Claro que para trocar uma mão pela outra levou um tempo de choro.

Se o bebê/criança dormiu no colo, no carro, ou no carrinho e acordou aos prantos, é bem provável que para ele o berço esta sendo o lugar onde se acorda e não o local aonde se dorme. Na pontinha dos pés os pais saíram do quarto assim que o filho pegou no sono e deve ser assustador quando a criança acorda sem saber sequer que tinha ido dormir, pois foi passear de carro e por acaso adormeceu. Fazendo uma analogia no mundo dos adultos podemos comparar a situação de alguém dormir vendo um filme na sala e acordar em seu quarto. Estranho, né? É bem diferente de quando se fez toda a sua rotina, entrou em sua cama e se ajeitou até adormecer. Na primeira situação o sono o pegou de surpresa e na segunda este foi ao seu encontro. Logo o conceito do método é, principalmente, que os pais sejam honestos com os filhos: Se dorme no berço, mamãe e papai não ficam de noite no quarto e você terá o seu jeito próprio de adormecer.

O tema é polêmico, repleto de controvérsias e todas as opiniões devem ser respeitadas. No entanto, há um consenso geral: DORMIR É FUNDAMENTAL.

Se a preocupação é o choro do filho para mudar o caos na madrugada fica a dica: O problema não é o Nana Nenê mas sim… A Cuca vem pegar/ mamãe foi para a roça e papai foi trabalhar. Afinal, os bebês/crianças dormiram no colo e acordaram sozinhos no berço (com a Cuca?) e sem mamãe ou papai por perto (Foram p/a roça? ou trabalhar?). Assustador, não?

assinatura deborah-moss

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade