PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O Comportamento Infantil e o Pediatra
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O Comportamento Infantil e o Pediatra

O Comportamento Infantil e o Pediatra

06/08/2015
  603   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

o-comportamento-infantil-e-o-pediatra

 

Problemas de comportamento e emocionais são comuns em crianças, mas nem sempre são identificados ou tratados adequadamente. Atualmente, de 11 a 20% das crianças sofrem de um transtorno mental ou comportamental diagnosticado, mas estima-se que apenas 1 em cada 8 crianças recebem tratamento. Os dados são americanos. Já no Brasil, acredita-se que um número menor ainda de crianças está diagnosticado e muitas não recebem tratamento.

Em um  caso clínico da revista Pediatrics, de março de 2015, há um artigo que fornece ferramentas para o pediatra, que servem como um plano para ajudar a realizar exames comportamentais e de saúde mental.

Na prática pediátrica, os profissionais devem estar atentos aos sintomas e sinais e saber ouvir as queixas familiares, que podem ser úteis na prevenção e detecção de problemas de comportamento e de saúde mental de maneira geral.

Com planejamento e preparação, os pediatras devem preparar rastrear crianças e colaborar com os profissionais de saúde mental da comunidade, quando um filho ou pai tem um resultado de triagem positivo.

O pediatra também pode estabelecer rotinas de consultório para a seleção, incluindo o início de triagem no primeiro ano de vida e em intervalos regulares durante toda a infância e adolescência. As crianças com fatores de risco significativos, tais como problemas de abuso de substância ou de família com problemas psicossociais devem ser rastreados e monitorados com maior frequência.

Os autores do estudo concluem que, pelo fato dos pediatras estarem em uma posição única para intervir antes que os problemas se tornam mais graves, o rastreio regular pode promover a identificação e tratamento destes problemas mentais e comportamentais precocemente.

Infelizmente no Brasil, ou pelo menos em São Paulo, os pais estão perdendo o hábito de procurar o pediatra em consultas de rotina e procuram cada vez mais os prontos atendimentos. Nestes locais é quase impossível que os profissionais possam ouvir atentamente as queixas ou observar mais de perto seus pacientes. Além disto, não criam vínculos com os pais e com as crianças, o que impossibilita este trabalho de prevenção e detecção das doenças neuropsicológicas.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal.

Fonte: From the American Academy of Pediatrics Promoting Optimal Development: Screening for Behavioral and Emotional Problems

Carol Weitzman, MD, FAAP, Lynn Wegner, MD, FAAP, the SECTION ON DEVELOPMENTAL AND BEHAVIORAL PEDIATRICS, COMMITTEE ON PSYCHOSOCIAL ASPECTS OF CHILD AND FAMILY HEALTH, COUNCIL ON EARLY CHILDHOOD, AND SOCIETY FOR DEVELOPMENTAL AND BEHAVIORAL PEDIATRICS

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o atendimento médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o seu pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias ind

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade