PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Por que investir no desenvolvimento da Primeira Infância?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Por que investir no desenvolvimento da Primeira Infância?

Por que investir no desenvolvimento da Primeira Infância?

19/01/2017
  1107   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Daniel Santos é professor de Economia na Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto. É também membro do Comitê Científico do Núcleo Ciência pela Infância (NCPI) e Coordenador do Laboratório de Estudos e Pesquisa em Economia Social (LEPES). Sua aula EAD no Curso “Impacto sobre o desenvolvimento da Primeira Infância na aprendizagem” pode ser vista em http://ead.ensinosabara.org.br/ . Neste texto, apresentamos os conteúdos mais importantes apresentados em sua aula. O objetivo é oferecer uma versão escrita de sua exposição, proporcionando, quem sabe, uma forma alternativa de assimilação do que ele nos ensinou tão brilhantemente. Sua aula pode ser dividida em cinco tópicos.

lino_macedo_Por_que_investir_no_desenvolvimento_da_Primeira_Infância_19_01_2017_01

1- Educação infantil e economia. Segundo o Professor Daniel, economistas, hoje, interessam-se pela saúde e educação de crianças pequenas, apoiados em pesquisas sobre desigualdade social. Crianças de famílias pobres já começam a vida com uma diferença desfavorável ao seu desenvolvimento, não por razões genéticas, mas pelas dificuldades de seus pais em lhes oferecer melhores condições para que tenham saúde, alimentação e recursos de aprendizagem. Tal evidência é importante, por ser grande a desigualdade de renda no Brasil, uma das maiores do mundo segundo ele. Desigualdade social ou de renda relaciona-se com desigualdade educacional e se articulam já no começo da vida das crianças. Para dar um exemplo, o Professor Daniel apresenta um gráfico em que se observa que o desenvolvimento cognitivo de crianças equatorianas varia segundo a escolaridade de suas mães e influencia o mercado de trabalho dessas crianças quando se tornam adultas.

Outro tema de estudo dos economistas é sobre políticas públicas, visando mitigar ou reverter o incremento da desigualdade nos primeiros anos de vida. O Professor Daniel cita o Programa Head Start nos Estados Unidos como um caso de sucesso a esse respeito. O programa alcança mais de 2 milhões de pessoas, está focado em crianças vulneráveis, e seu maior êxito é compensar deficiências cognitivas e emocionais dessas crianças. Ele cita também outro programa de intervenção em crianças vulneráveis, no Estado de Michigan, Estados Unidos, em que se constatou um retorno social de pelo menos 9 dólares para cada dólar investido.

2- Educação Infantil no Brasil. Depois da introdução apresentada no item 1, o Professor Daniel passa a analisar o problema no contexto brasileiro. O que estamos fazendo, aqui, em favor da Educação Infantil? Ele responde a questão, mencionando diversos aspectos:

  • A partir dos anos 90 temos dado mais atenção à educação infantil. Comenta que, se a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional excluiu as creches, essa falha foi corrigida pelo FUNDEB.
  • Cita a obrigatoriedade da educação básica para todos com idade de 4 a 17 anos como outro indicador, sobretudo se considerarmos que investir na pré-escola influencia o aprendizado no ensino fundamental de nossas crianças. As que frequentam a pré-escola estão um ano mais avançadas do que aquelas que não a frequentam.
  • Mas, segundo ele, as creches brasileiras parecem não ter o mesmo impacto, nem o bem estar observado no restante do mundo. Como evidência, apresenta um gráfico sobre diferenças de desempenho escolar em matemática no quinto ano do Ensino Fundamental entre egressos e não-egressos do Ensino Infantil, segundo o nível educacional das mães. Nele, podemos perceber que se, em média, a pré-escola acelera o aprendizado da criança brasileira esse beneficio é muito desigual entre os filhos das mães mais educadas e os das mães menos educadas. Os filhos das mães mais educadas são os que mais se beneficiam da pré-escola. O gráfico mostra grande heterogeneidade na qualidade das creches frequentadas pelas crianças oriundas de famílias pobres e as de famílias mais ricas. De fato, pesquisas mostram que a qualidade das escolas infantis brasileiras se comparadas com as escolas do mundo deixam a desejar. O que não quer dizer que não existam excelentes escolas.

3- Indicadores de qualidade de uma escola de educação infantil. Segundo o Professor Daniel, os principais indicadores de qualidade são:

  • Não basta prover atividades lúdicas, é preciso que elas estejam estruturadas no espaço e no tempo escolar;
  • Aplicar esquemas de punição e recompensa não vale a pena; o melhor é estimular a exploração do meio ambiente, a relação entre pares e com adultos;
  • A criança pequena, tal como um cientista, gosta de explorar, observar, formular e testar hipóteses sobre o mundo, bem como interagir com outras crianças e os mais velhos. Responder e mesmo estimular essas formas de relação é crucial. Não os fazer, é frustrante.
  • A rotatividade dos educadores de creches e pré-escolas é muito grande no Brasil, sobretudo em algumas regiões. Se construção de vínculos professor – alunos é fundamental na Educação Infantil, tal rotatividade prejudica dramaticamente, porque vínculo requer confiança e confiança requer espaço e tempo bem vividos.

4- Disseminação do conhecimento e pressão social. O Professor Daniel crê, penso que com razão, que pressão social é um dos principais fatores de transformação na qualidade do serviço nas escolas infantis. A matrícula, em creches e pré-escolas, cresceu dramaticamente, tornando o problema da qualidade fundamental. Ou seja, não basta expandir o número de vagas, é necessário investir também na qualidade do que acontece em favor do desenvolvimento e da aprendizagem das crianças. E pressão social visando a uma melhor qualidade da educação infantil requer informação e pesquisa.

Para ilustrar a importância da questão, o Professor Daniel apresenta um gráfico que compara a percepção das famílias sobre qualidade e serviço oferecido pelas creches. Nele, observa-se uma diferença entre as dimensões subjetiva (satisfação da família por ter o filho na creche) e objetiva (qualidade da creche, avaliada segundo certos indicadores). A pesquisa foi feita no Rio de Janeiro. O que se observa é que as duas medidas não se relacionam. As famílias dão nota 9 ou 10 para todas as creches, independentemente de sua qualidade objetiva. Ou seja, contentam-se com o fato de os filhos estarem nela, independentemente da qualidade ou serviço oferecido. Sua conclusão é que disseminar informação é também política pública. Governo e  sociedade devem investir nisso.

Vale a pena assistir a aula do Professor Daniel e pensar sobre o que ele nos ensina!

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade