PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Posso entrar?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Posso entrar?

Posso entrar?

23/10/2017
  699   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Dia desses, batemos à porta de um menino no hospital que nos disse em alto e bom tom, NÃO! Ainda tentamos, com boas intenções mas com uma irritante insistência, persuadi-lo a nos receber, acreditando que nossas bolhas de sabão o encantariam e o fariam esquecer a tristeza por alguns minutos, mas ele não se deixou enganar e levamos mais um NÃO, agora com mais decisão e nos retiramos.

Acreditamos que no ambiente hospitalar, onde a criança passa por diversos procedimentos e dores que não pode rejeitar, ter nossa visita recusada pode ser uma ótima oportunidade do paciente agir em nome daquilo que está sentindo, ter seu desejo legitimado mesmo que por pouco tempo.

Nossas impressões são paradoxais e ficamos imaginando se haveria algo a se dizer ou fazer que pudesse ter sido melhor que este não encontro. Mas, este não encontro é temporário, pois no dia seguinte, lá estamos para uma nova tentativa e com sorte podemos entrar e trocar com aquela criatura cheia de vontades.

Apesar desses episódio, em geral, somos recebidos em nossas investidas. A sensação é de que somos (quase sempre) bem vindos e é uma sensação muito boa. Esse passe livre nos dá a chance de promover momentos de alívio e de desabafo nesse dia a dia difícil da internação para o paciente, para seus acompanhantes ou ainda para alguma enfermeira que está enfrentando dificuldades para se comunicar com aqueles hóspedes temporários, por exemplo.

Esta semana, pensei em uma frase ao me despedir de uma menina que teria alta em breve: espero que você vá embora e não volte nunca mais! Ali, essa frase pode ser dita com carinho e essas brincadeiras todas são uma forma de descobrir outras perspectivas para essa experiência difícil. E elas são possíveis porque nós somos bem vindos! Não que outras pessoas não sejam, mas nós, seres encantados, somos bem vindos na maioria das vezes. Quando bato à porta de alguém e me apresento como Cinderela é como se eu fosse uma amiga antiga e íntima alguém com quem conversar, brincar, estar em silêncio, alguém que pode entender tudo o que se passa ali, porque há amor e compreensão nas amizades duradouras.

Esse é um dos encantos desse trabalho, acessar rapidamente a intimidade mais profunda dessas pessoas que acabamos de conhecer. E um desafio diário é aceitar a rejeição, não como uma agressão, mas como um ato de confiança. Neste momento as crianças confiam em nós, eles sabem que bons e velhos amigos podem aceitar aquele não sem deixar de insistir na relação. E há uma sutileza nessa insistência, pois não deve ser intransigente, mas um ato de resiliência de alguém que tem mais condições naquele momento de tentar mais uma vez.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade