PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Prematuros
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Prematuros

Prematuros

25/12/2013
  595   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Saiba as consequências psicológicas da prematuridade

prematuridade

Muitos pais costumam perguntar sobre atrasos no desenvolvimento de crianças prematuras e a importância de acompanhamento psicológico. Não é útil falar deste assunto genericamente, porque esta pergunta é realmente ampla. Vamos abordar apenas um recorte, uma perspectiva bem importante.

Prematuro é um adjetivo que cabe para descrever separadamente órgãos e sistemas de bebês nascidos antes de 38-40 semanas, mas não parece adequado para descrever uma criança, sobretudo um adolescente! A criança que nasceu prematura pode ter consequências da prematuridade. Um recém-nascido pode ser descrito como prematuro, mas uma criança strictu sensu não é prematura.

Essa generalização pode mostrar uma consequência pouco abordada da prematuridade: os pais “prematuros”. Usemos, portanto, o adjetivo a favor da nossa reflexão.

Pais “prematuros”

Seria possível pensar em pais prematuros?

Bem, por um lado, também eles não estavam prontos para todas as questões, desafios e sustos frente ao nascimento do filho. Talvez, os inúmeros sustos tenham feito com que se sentissem despreparados ao ponto de não conseguirem pensar, se reconhecer, reencontrarem-se enquanto casal, profissionais e pais, com seus sonhos e ambições. Talvez, eles só consigam pensar em cateteres, infecções, saturação e ml de leite. Talvez, só exista o presente e o futuro tenha desaparecido de seus sonhos. Talvez… Talvez, não consigam mais sonhar com o filho a termo, com suas conquistas e malcriações, com broncas e limites, pois agora é preciso cuidar, vigiar, proteger e estar atento, muito atento. Todos já sofreram demais, basta, agora será um dia depois do outro.

Pois bem, toda esta avalanche é despejada sobre os ombros de jovens pais e deixa marcas que, contudo, como as da criança, precisam ser ultrapassadas.

O excesso e a intensidade de cada notícia boa ou ruim provoca uma perturbação tão grande no psiquismo dos pais que algumas formas de proteção são necessárias. Por exemplo: muitos pais vivem a sensação de estarem divididos ao meio – uma parte deles está frágil, destruída, enquanto outra está forte, presente. Ocorre uma espécie de desdobramento que pode atingir os pais na maneira como se sentem e se veem, em sua identidade, gerando angústia e estranhamento, uma espécie de desorientação vivida em uma montanha-russa emocional.

Este mesmo desdobramento pode atingir também a forma com os pais veem o filho: eles ora convivem com o bebê saudável e querido e ora com aquele que mal conseguem olhar, focando sua atenção nos parâmetros, no órgão atingido, constantemente preocupados.

Se é verdade que por alguns anos a criança precisará de cuidados e atenção, também é verdade que ela não será prematura para sempre. Pode haver sequelas e, apesar delas, nem tudo é ‘culpa’ da prematuridade e os pais não precisam estar em alerta para sempre! Eis onde podem começar os problemas: quando a prematuridade não vai embora…

É importante que a criança tenha um acompanhamento psicológico desde cedo?

Não, de forma alguma. O psicólogo será útil se surgirem angústias excessivas na relação pais-criança e, sobretudo, se pais ficarem centrifugados pelo risco e susto que passaram.

A dica é que, mesmo atentos aos riscos e problemas, os pais tentem sempre organizar pedacinhos de rotina semelhante aos de qualquer criança, suportando pequenos (e onipresentes) riscos e toda a fantasia e culpa que eles geram.

Quanto ao bebê. Sabemos que um bebê tem poucos referenciais. A gente se sente seguro em casa, em família, dentro do carro… O bebê por sua vez se sente seguro se tiver mantidas algumas regularidades de presença, temperatura, ritmos, odores, vozes e, por último, elementos visuais – que necessitam grande concentração do bebê. Se você não sabe o que seu bebê ouve ou compreende, e não pode tocá-lo quanto gostaria, crie um carinho que só você faça nele, invente uma repetição que lentamente seja uma marca exclusiva da sua presença.

Os pais têm o dom e a chance de criar boas marcas e memórias. Disto não podemos esquecer!

 Glaucia

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade