PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Que tipo de vida meu filho vai ter?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Que tipo de vida meu filho vai ter?

Que tipo de vida meu filho vai ter?

27/03/2014
  300   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Mother-Child-Down-Syndrome

Recentemente a empresa italiana Saatchi & Saatchi criou uma nova campanha para a organização nacional de apoio à Síndrome de Down, COORDOWN. Segundo a empresa, a ideia foi criada após receberem uma carta de uma futura mãe, cujo filho foi diagnosticado em seu ventre com Síndrome de Down “Que tipo de vida o meu filho vai ter”? A campanha responde por meio de um comovente depoimento de jovens com Síndrome de Down que respondem dizendo como são felizes e o que podem fazer, como brincar, estudar, praticar esportes, trabalhar, amar, sorrir, ser feliz!

Muitos pais me perguntam como será a vida dessas crianças em termos de atividades físicas. E minha resposta é sempre a mesma: normal como qualquer outra criança. As crianças portadoras de Síndrome de Down podem praticar esportes tranquilamente. Algumas modalidades, como a Ginástica Artística Infantil, requerem alguns cuidados a mais. Uma das qualidades que mais se requer na ginástica, é a flexibilidade. Como os portadores de Síndrome de Down possuem diminuição do tônus muscular, essa qualidade é valorizada nessas pessoas. Assim sendo, as crianças podem iniciar a prática desde que começam a caminhar e têm um caminho muito propício ao sucesso. A única limitação quanto a prática desse esporte é a verificação se a criança possui instabilidade atlanto-axial (condição que atinge cerca de 15% das pessoas que nascem com SD).

Porém nada é motivo para impedi-las de praticar uma atividade física quando se tem amor e objetivos claros. Prova disso é a bailarina Aline, portadora de Síndrome de Down, que tem mostrado e conquistado o mundo com sua graça e leveza. Iniciou suas aulas em São Bernardo do Campo e hoje já se apresentou mais de 200 vezes dentro e fora do Brasil. Aline começou sua carreira com 8 anos de idade, quando a mãe matriculou-a numa escola de ballet, com o único objetivo de que a pequena pudesse fazer uma atividade física, sem saber que isso mudaria sua vida. Extremamente disciplinada e hoje com 27 anos de idade, ela se dedica aos treinos por 5 horas diárias. É um exemplo de determinação e coragem.

Sáska e Felipe praticam patinação artística. O que trouxe de benefícios para eles? O fortalecimento muscular, aumento do equilíbrio e da coordenação motora. Praticam ao menos duas vezes por semana e já possuem inúmeras medalhas e troféus. Fernanda, por sua vez, pratica surf e stand UP paddle. É uma revelação nas pranchas e pratica com amor e dedicação.

Casos como o de Aline, Sáska, Felipe e Fernanda, são inúmeros. Jovens que iniciaram suas atividades quando pequenos e hoje, colhem os frutos de uma vida saudável e regrada por meio do esporte e da prática de atividade física. Alguns já estão cursando a faculdade, como é o caso de Sáska, outros trabalham. Mas todos são unânimes em afirmar que a atividade física os ajudou a crescer e a transformarem-se em pessoas mais sadias e convictas de seus potenciais e objetivos.

Por meio da atividade física as pessoas portadoras de Síndrome de Down tornam-se adultos capazes de organizar-se melhor, de realizar suas atividades do dia a dia com mais independência. Oferecer qualidade de vida é uma maneira de incluir as pessoas na sociedade de maneira mais eficaz e humana. Assim sendo, não tenham medo pais e futuros pais… A Síndrome de Down não exclui, mas sim, mostra-nos um caminho a mais para a vitória, a conquista e a auto realização!

 

Assista ao vídeo aqui:

maria helena

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade