PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Se dormir bem, que mal que tem?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Se dormir bem, que mal que  tem?

Se dormir bem, que mal que tem?

12/05/2015
  488   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

debora moss

Se o seu filho chora quando está com sono e, mesmo cansado resiste bravamente a adormecer, então, ele é perfeitamente normal. A questão que deve ser colocada em pauta é: ele dorme a noite toda?

Dormir para o bebê e para a criança (isto se estenderá até a adolescência) é considerado perda de tempo. Analisando na perspectiva deles faz sentido quando pensarmos em cada etapa do desenvolvimento.

Até por volta dos seis meses de vida o processo de adormecer pode até ser difícil por realmente o bebê ainda ser imaturo, há muitas sensações que podem ser desconfortáveis e também por não encontrar um jeito próprio para iniciar o sono.

Mas depois desta fase, a luta para dormir é travada justamente pelo fato de que ficar acordado é muito mais divertido. No primeiro ano de vida ocorrem ganhos motores como engatinhar, andar, correr e, dormir significa ficar preso no berço e isto não faz o menor sentido para eles , já que há tantas novidades acontecendo em volta. Na fase dos dois anos em diante, entram no mundo da imaginação, das fantasias e dormir é se desligar de tanta diversão. Depois vem a adolescência, papos com os amigos na internet, ipod, ipad, ou seja não esperem tão cedo que seus filhos tenham prazer em dormir como a maioria de nós adultos.

Então dormir é justamente apertar a tecla “Off” no auge do filme de ação. Sendo assim, na visão das crianças, elas têm todo o direito de se revoltarem ao ir para o berço ou cama, mas isto não significa que podem permanecer acordadas a noite toda.

Em muitas famílias a luta é cruel no final do dia: de um lado um bebê ou criança cansada, irritada insistindo em se manter acordada, do outro, uma mãe e um pai exaustos, sonhando com a sua cama quentinha. Nesta batalha, vão se criando estratégias para conseguir desligar a tecla off dos filhos: Colo, passear de carrinho ou de carro, dar a mão, cotovelo, lóbulo da orelha, cílios ou ir para a cama dos pais, etc… Fiquem tranquilas não há CERTO ou ERRADO, mas sim O QUE ESTÁ DANDO CERTO E O QUE ESTÁ DANDO ERRADO.

Então, se seu filho precisa mexer na sua mão para se desligar do mundo e depois dorme a noite toda, maravilha! Mão é tudo de bom… Mas se no meio da noite ele acorda e quer a sua mão para se entregar novamente ao sono e isto se repete por várias vezes madrugada, então a mão se tornou um hábito que não esta dando certo e então é hora de mudar!

Existem associações de sono positivas, que possibilitam a criança dormir a noite toda, e outras negativas, que interferem na continuidade do sono. Como avaliar? Simples: Se dormir bem, que mal que tem?

Mamães e papais, sejam livres para fazerem as suas escolhas, mas não se tornem reféns das consequências. Se não estiver (mais) dando certo não tenham medo de mudar… O bebê e a criança, tendo amor, carinho e limites se adaptam ás mudanças mais fácil do que nós imaginamos.

 

Captura de Tela 2015-05-05 às 18.25.23

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade