PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
Será que você sabe brincar com seus filhos?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Será que você sabe brincar com seus filhos?

Será que você sabe brincar com seus filhos?

17/02/2015
  13   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Gabi mira no seu alvo

Não sei se isso também acontece com você, mas eu achava que sabia brincar com crianças até ganhar meus sobrinhos, e posteriormente minhas filhas, e ver que o meu conceito de brincar com crianças estava meio equivocado. Brincar com os filhos não é simplesmente sentar e dar uma olhada enquanto eles estão ali com seus brinquedos, mas sim estabelecer conexão através das brincadeiras, mesmo que você tenha pouco tempo para isso.

O meu primeiro equívoco estava justamente em achar que eu só podia brincar quando tivesse muito tempo e cercada de brinquedos. No dia a dia, devo confessar, o tempo de brincar acabava perdendo espaço para outros “tempos” da vida, especialmente o de trabalhar, e a brincadeira ficava para depois, vencida pelo cansaço. Minha vida mudou quando comecei a perceber que todo momento junto com os filhos poderia ser um momento de brincar, desde que estivesse preparada para isso. Quer alguns exemplos? O passeio a pé até a padaria vira uma farra se estiver acompanhada da brincadeira de “Não pise na linha!” ou “Só vale pisar no preto!”. O tempo de espera no médico fica animado com brincadeiras com as mãos, como Adoleta, Bate-mão ou Guerra de Dedos. Até o engarrafamento fica mais suportável se a gente aproveita para fazer uma brincadeira de busca, que pode ser a cores (Quem vê algo vermelho? E algo amarelo?), a formas geométricas (aonde tem um triângulo? E um círculo) ou a letras (quem consegue olhar para fora e ver alguma coisa que começa com a letra A? E a letra B?). Quando a gente consegue incorporar a brincadeira no cotidiano, ao invés de esperar a hora de brincar, tudo fica mais fácil. Acabei criando o blog Tempojunto justamente para mostrar isso.

Só que lidar com o fato de ter que encontrar tempo é apenas um lado da questão saber brincar. A maternidade também me ensinou a rever minhas atitudes e ter um outro olhar para a importância do brincar. Quando a criança brinca, ela não está “fazendo nada”. Ela está descobrindo e desenvolvendo todas as suas habilidades motoras, emocionais e cognitivas. E quando a gente brinca junto, não só ajudamos a estimular este desenvolvimento, como estabelecemos conexão. Como disse a psicóloga Patricia Garcia em uma entrevista ao Tempojunto, “Com a brincadeira, os pais têm em mãos uma chave preciosa para conhecer ainda melhor os filhos e ajudá-los no seu desenvolvimento.”

Para conseguir estabelecer esta conexão, precisamos saber dar qualidade ao tempo junto e brincar como se deve. Isso é outro aprendizado. Aí vão 5 dicas, nem sempre fáceis de seguir, para conseguir brincar com qualidade, mesmo que por 10 minutos:

  1. Desligue o celular e foque no momento.
  2. Desça ao nível da criança. Sente-se no chão. Olhe a criança de frente, e não de cima.
  3. Deixe a criança escolher e liderar a brincadeira. Só assim você vai conseguir aprender com ela.
  4. Não tenha um objetivo claro. A medida do sucesso da brincadeira não é ter chegado a um resultado concreto, mas sim ter aproveitado o percurso.
  5. Se permita imaginar, se sujar e pagar mico. As risadas dos filhos vão compensar o trabalho de limpar depois.

 

Patrícia Marinho

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740)Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP.Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade