PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Usando as mãozinhas para no fim…. escrever
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Usando as mãozinhas para no fim…. escrever

Usando as mãozinhas para no fim…. escrever

23/02/2016
  1789   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

 

Brincar de massinha, enfiar a mão na massa de bolo, pintar com os dedos, pegar farinha, arroz, feijão e jogar tudo no chão… Pegar a menor sujeira do chão e levar a boca, fazer cara feia e dar risada logo após…buscar bichinhos no jardim, limpar o fim do doce da lata com o dedo, tentar estalar os dedos incessantemente, puxar o cabelo da mamãe… e no final do dia, dedo na boca no soninho gostoso.

Certamente todos já presenciamos uma dessas cenas. Na verdade, o desenvolvimento psicomotor vai se refinando ao longo do crescimento. Os movimentos digitais, como chamamos todos os movimentos realizados com as pontas dos dedos, vão sendo aprimorados desde muito cedo. Mas tudo começa por nossas mãos!

Os bebês se encantam ao achar suas mãos. Utilizam-na como brinquedo até o momento em que percebem que essas pequenas mãos são de grande utilidade. As mãos podem chegar a todas as partes do corpo. É a extremidade corporal mais perfeita para tocar, agarrar e criar.  Começam então a manusear objetos e aos pouco os movimentos de apreensão vão aparecendo. Os dedos então começam a se destacar e a criança passa a perceber que para pegar pequenos objetos os dedos são mais eficazes. Surge o movimento de pinça que será trabalhado e refinado por muitos e muitos anos. A esses movimentos mais específicos damos o nome de coordenação motora fina ou praxia fina. Entre eles destaca-se o traçado gráfico, uma linguagem não verbal presente desde cedo nas crianças. O interesse e o prazer que a criança, a partir de 9-10 meses, tem pelas manchas que deixa com seu corpo e com os materiais à sua disposição indicam a necessidade natural de cada um de nós em produzir traços e traçados. No momento em que a criança começa a rabiscar, ela compreende que o gesto feito sobre a folha deixa um traço, um traço do próprio corpo e separado deste. O ato gráfico, isto é, o produto da criança sobre a folha, vai se organizando no curso do desenvolvimento. Dessa maneira vai se formando também a escrita.

A escrita é um ato motor no qual é necessário adequar-se, seja pelos materiais utilizados, seja pelos conteúdos nela implicados. Faz-se necessário um conjunto de conhecimentos e aquisições ao longo do desenvolvimento para que se possa ter também uma aprendizagem da escrita. Ela pode ser dividida em três etapas: pré-caligráfica (5-9anos), caligráfica infantil (10-12 anos) e pós-caligráfica (12-16 anos). A escola propõe a criança um ideal de caligrafia, no entanto deve ser respeitado o desenvolvimento neuropsicomotor de cada um.

E o que fazer enquanto nosso pequeno não está apto? Estimular sempre. Faça bolos, amasse pães, brinque de massinha, separe feijão, arroz e milho. Brinque com geleca, areia, bolinhas de gel, isopor e outros materiais de diferentes formas e texturas. Ajude a trabalhar e controlar os movimentos. E lembre-se, não adianta querer que seu filho, aos 5 anos, esteja escrevendo perfeitamente. Seu controle motor fino ainda é escasso e portanto, ele não poderá respeitar um ideal caligráfico, afinal, a escrita é a soma de muitos movimentos isolados.

Maria Helena Sampaio de Castro d'Ancora

Maria Helena Sampaio de Castro d'Ancora

Maria Helena Sampaio de Castro d'Ancora é formada em Educação Física e Esporte. Possuí especialização em Psicomotricidade e Análise Existencial/Logoterapia com ênfase na educação. Trabalha com crianças e adolescentes há 20 anos atuando na área de avaliação, estimulação e reabilitação psicomotora. Praticante de esportes desde pequena divide seu tempo entre o trabalho, treinos de corrida e seus filhos Luca (14) e Pedro (7) que herdaram sua paixão pelos esportes.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade