PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
É como na situação alimentar: é preciso aprender a fazer escolhas!
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
É como na situação alimentar: é preciso aprender a fazer escolhas!

É como na situação alimentar: é preciso aprender a fazer escolhas!

24/10/2023
  671   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estamos, hoje, em plena instauração da cultura digital com todas as suas vantagens e desvantagens. Temos de aprender a nos beneficiar das vantagens e nos protegermos das desvantagens. Aliás, sempre foi assim e com quase tudo. É bom ler, mas há conteúdos que não valem a pena ser lidos. É bom usar a faca na cozinha e nas cirurgias, mas não para matar ou machucar pessoas.

Crianças e adolescentes são vítimas fáceis das novas tecnologias desenvolvidas pela sociedade. Hoje, por exemplo, deixadas ao sabor dos estímulos digitais, elas tendem a consumir tudo o que se lhes apresentam e que lhes dão gosto de ver, ouvir, interagir ou digitar. Elas se tornam fácil e rapidamente aditivas e fazem uso dos recursos digitais de um modo não saudável para o seu desenvolvimento. Isso é particularmente grave, quando ficam expostas a problemas socialmente danosos, como violências, roubos, mortes, guerras, conteúdos sexuais inadequados, notícias e imagens sobre as quais têm poucas possibilidades emocionais, cognitivas e sociais de assimilação.

Daí que, minha proposta, é que vejamos os novos recursos digitais de um modo comparável ao que acontece, hoje, com os alimentos. Muitas crianças e adolescentes passam fome e não recebem a quantidade nutricional necessária para crescerem e se desenvolverem. O mesmo acontece com a disponibilidade e o saber usar os novos dispositivos digitais. Crianças, adolescentes e seus pais não têm dispositivos digitais, nem internet e sofrem uma desigualdade muito grande em relação às outras pessoas que dispõem dessas facilidades.

Por outro lado, muitas crianças e adolescentes estão com excesso de peso e, igualmente, prejudicam sua saúde ingerindo comidas, em quantidade e qualidade exageradas e mal escolhidas. O mesmo acontece com o uso de dispositivos digitais. Muitas crianças e adolescentes interagem com eles o quanto e o como têm vontade, tornando-se presas fáceis de informações e influências prejudiciais ao seu bem-estar e desenvolvimento.

Conclusão: da mesma forma que, biologicamente, não podemos viver sem comer e tomar água, socialmente, no mundo de hoje, não podemos ficar de fora, como se estivéssemos no século passado, sem os recursos digitais em benefício de nossa educação, saúde, intercâmbio social, lazer ou trabalho. Mas, como em tudo, há de se buscar um equilíbrio entre o que faz mal e o que faz bem. Por isso, é importante refletir sobre o problema, estabelecer regras de uso, saber se proteger do que é prejudicial. É preciso aprender a fazer escolhas digitais, qualitativas e quantitativas, tal como na comida!

Dr. Lino de Macedo

Dr. Lino de Macedo

Doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). É presidente da Academia Paulista de Psicologia e professor emérito do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP). Integra a Cátedra de Educação Básica do IEA (USP) e é assessor do Instituto PENSI.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.