PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A Fé e a doença
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A Fé e a doença

A Fé e a doença

28/12/2020
  900   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O físico Marcelo Gleiser costuma afirmar que ‘’em ciência, deve-se ver para crer, ou seja, somente após prova concreta, confirmada por grupos diversos de cientistas, pode-se afirmar que um fenômeno é real. No cristianismo falamos que devemos “crer para ver”, em alusão a uma passagem bíblica onde Tomé pede para Jesus mostrar as chagas da cruz para acreditar que era realmente Cristo ressuscitado. Fé é uma coisa misteriosa e, quando relacionada com cura ou com doença, torna-se ainda mais interessante de se observar.

Nos meus mais de trinta anos de prática pediátrica em hospitais, tive a oportunidade de me deparar com muitos tipos de fé, das mais variadas religiões e nas variadas formas e intensidades. O que me impressiona sempre é que as pessoas que têm uma fé verdadeira e que acreditam realmente naquilo que professam, têm muito mais tranquilidade para enfrentar as dificuldades e as más notícias do que as que não têm fé ou as que não acreditam que aquilo fará alguma diferença.

Existem vários trabalhos científicos envolvendo este tema. Um estudo realizado na Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto, mostrou que a religiosidade fortalece pacientes que lutam contra o câncer. Nos Estados Unidos, uma pesquisa desenvolvida pela Universidade de Duke, na Carolina do Norte, comprovou que pacientes que se valem de práticas religiosas apresentam 40% menos chances de sofrerem depressão durante o tratamento, não apenas do câncer, mas das doenças em geral. Ao que tudo indica, a fé representa um reforço para o sistema imunológico.

Para este final de ano, a Fundação José Luiz Egydio Setúbal preparou uma web série com dois filmes tratando do assunto. Contaremos as histórias de duas crianças com depoimentos de médicos e outros profissionais de saúde e dos familiares destas crianças. Vale a pena vê-los.

Procuramos neste ano, onde a doença predominou por causa da pandemia, trazer uma mensagem de esperança e fé para finalizar 2020.

Saiba mais:
• História da Maria Eduarda https://www.youtube.com/watch?v=rD2jDhbvqoQ
• História da Jackeline https://www.youtube.com/watch?v=d-FNr-FlyIM
https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2010/03/07/interna_ciencia_saude,178036/estudos-sinalizam-que-a-fe-pode-sim-ajudar-a-superar-doencas.shtml
Religião, Saúde e Cura:
um Estudo entre Neopentecostais
https://www.scielo.br/pdf/pcp/v24n3/v24n3a11.pdf

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade