PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como assim? Vai passar? Ô. Uma hora vai… rs
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como assim? Vai passar? Ô. Uma hora vai… rs

Como assim? Vai passar? Ô. Uma hora vai… rs

25/04/2016
  866   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Sou xereta. Sim. Um bom tanto. Mas acontece que observando essa vida, as pessoas que passam pela minha…

E digo pessoas de todas as idades, tamanhos, graus de parentesco, amizade, afinidade, ódio, irritabilidade, artista de cinema, cantor, político, gente desconhecida, conhecida, enfim… vou tirando meus aprendizados.

Sou mulher, já adulta, mas tenho cá meu pezinho na adolescência, mesmo que não seja a minha.

Dou risada da vida com a mesma frequência que choro por ela.

Tá. Acho que todo mundo é assim, não?

E vou aprendendo mais ainda sendo mãe, né?

Convivendo com mães.

Antes nas rodinhas, depois pelo blog, depois internet toda, facebooks, instagrans da vida, no geral.

Conviver com mães é um tratado.

Você sai de cada encontro ou se sentindo uma merda ou super heroína ou as duas coisas ao mesmo tempo ou um milhão de coisas ao mesmo tempo (e boa parte delas você nem sabia que existia).

Você acha que sabe, mas não sabe.

Você acha que é a louca do primário e descobre que isso é normal.

Você crê que está fazendo quase tudo certo e nota que está fazendo certo demais.

E uma das frases que aprendi com a maternidade é que passamos a viver a vida em fases.

Não que não fosse assim antes, mas é na maternidade que você entende o processo.

E não é porque você é criatura iluminada, veja bem…é mais porque diante do seu drama/desespero/questionamentos, sempre vem uma mais sábia e solta a máxima “fica tranquila, é uma fase, vai passar”.

Eu mesma já ouvi e já falei tanto isso aí que ter a conta é impossível.

E eu mesma já desacreditei de mim quando ouvi minha própria voz explicando algo do horroroso mundo maternal como uma simples fase.

Sim. Fases existem e são para ser vividas. Fases são necessárias, mas…cola aqui, amiga…chega perto que eu vou te contar um segredinho.

Tem fase que não passa, tá?

O que passa é a sua vontade de morrer diante de uma dificuldade daquelas.

O que passa é a inexperiência.

O que passa é o desespero (que se volta para outro tópico).

Como também passa o seu olhar para tudo o que seu filho faz/já fez/e ainda vai fazer.

Ou seja, as fases são suas. Só suas. Não do seu filho, do seu marido, do seu casamento, do tio da quitanda.

Durma com barulho desse???

Não!

Espere o próximo post que a gente senta junto e chora (ou não) mais um cadinho…

Carol Garcia

Carol Garcia

Carol Garcia nasceu jornalista e descobriu isso bem mais tarde. Apareceu na TV, na internet, escreveu quilômetros de textos, fala pacas pelo microfone e adora. Nasceu mãe também, e hoje aos 36, vive de aprender e ensinar com o Isaac. Logo, ela juntou tudo, misturou, chacoalhou e mantém um blog onde desfia e desafia todos os loopings dessa montanha russa que é a maternidade. http://viajandonamaternidade.blogspot.com.br/

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade