PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças não vacinadas representam a maioria das mortes de gripe
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças não vacinadas representam a maioria das mortes de gripe

Crianças não vacinadas representam a maioria das mortes de gripe

03/05/2017
  701   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Chegando os meses de outono e inverno, começam as campanhas de vacinação contra a gripe. Apesar da segurança e da sua eficiência serem comprovadas, sempre surgem nas redes sociais boatos e histórias que não são corroborados pela ciência, nem pelas boas práticas médicas. Pessoas responsáveis e que usam critérios científicos devem vacinar seus filhos e as pessoas que estão no grupo de risco. Esta é a melhor forma de prevenção.

O SUS e o Ministério da Saúde promovem, anualmente, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. A ação acontece entre abril e maio. Os grupos mais vulneráveis devem se vacinar todos os anos. Pessoas com 60 anos ou mais, gestantes, mulheres com até 45 dias pós-parto, crianças de 6 meses a menores de 5 anos, doentes crônicos, trabalhadores da saúde e populações indígenas devem ir até um posto de vacinação para se protegerem contra a gripe.

Um novo estudo realizado sobre as mortes em crianças que contraíram gripe, analisadas durante quatro estações de gripe descobriu que a maioria das mortes ocorreu em crianças não vacinadas. O estudo, ” Influenza Vaccine Effectiveness Against Pediatric Deaths: 2010–2014 “, a ser publicado na edição de maio 2017 de Pediatrics analisou 291 mortes de crianças entre as idades de 6 meses e 17 anos.

Cerca de um quarto (26%) das crianças que morreram tinham sido vacinadas contra a gripe antes do início da doença. Entre 153 mortes de crianças com condições médicas subjacentes de alto risco, 31% foram vacinadas. A eficácia da vacina foi maior (65%) em crianças sem condições médicas de alto risco. Embora raras, as mortes associadas à influenza entre as crianças ocorrem anualmente, com incidência variável dependendo da gravidade da estação da gripe. Desde 2004, o número de mortes associadas à influenza em crianças menores de 18 anos variou de 37 na temporada 2011-2012 para 358 durante uma pandemia de 2009.

O estudo apoia as atuais recomendações para a vacinação anual contra a gripe para todas as crianças com idade de 6 meses e mais velhos.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics – April 2017

 

  • Influenza Vaccine Effectiveness Against Pediatric Deaths: 2010–2014

 

Brendan Flannery, Sue B. Reynolds, Lenee Blanton, Tammy A. Santibanez, Alissa O’Halloran, Peng-Jun Lu, Jufu Chen, Ivo M. Foppa, Paul Gargiullo, Joseph Bresee, James A. Singleton, Alicia M. Fry

  1. http://www.brasil.gov.br/saude/2016/10/anvisa-define-nova-composicao-da-vacina-contra-gripe-para-2017


As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade