PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Criando a rotina dos bebês
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Criando a rotina dos bebês

Criando a rotina dos bebês

19/11/2013
  649   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Se for bem instalada, ela pode ser rompida sem que isso desestabilize ou perturbe a criança e o ambiente

Criando a rotina dos bebês

A ideia de rotina nem sempre é vista com bons olhos, especialmente entre aqueles que a veem como certo aprisionamento ou impossibilidade de escolha. No entanto, quando se trata de bebês, a rotina é fundamental para desenvolver o senso de segurança e, posteriormente, a autoconfiança, tão necessários na vida de todos nós.

Um bebê que chora e tem suas demandas prontamente atendidas aprende que, diante de um desconforto, não demorará muito para que alguém lhe atenda. Ao mesmo tempo, se conseguimos prever situações que podem lhe gerar incômodo, podemos agir por antecipação. Assim, agasalhamos o bebê quando está frio, o alimentamos antes que a fome lhe torne insuportável, o trocamos depois das mamadas, assegurando-lhe com estes e outros cuidados conforto e amparo.

Quando as necessidades básicas do bebê são atendidas dentro de um tempo de espera que ele é capaz de suportar (este tempo aumenta lenta e progressivamente), e de modo muito parecido em momentos similares, permitimos que ele vivencie a sensação de integridade e segurança, bem como lhe damos a chance de poder antecipar o que está por acontecer. Por exemplo, ele sabe que quando chora alguém o atende, que se está no trocador é porque será trocado ou que quando recebe as palavras de bom dia é que sairá do berço e será amamentado.

Esta regularidade – que é sinônimo de constância e não de mesmice – isenta o bebê de se confrontar com o inesperado, que é sempre fonte de angústia, especialmente quando não se sabe ao certo o que está acontecendo ou prestes a acontecer. Esta regularidade – previsibilidade – é a rotina.

A rotina do bebê deve levar em consideração as diferenças individuais. Por isso, não pode ser rígida e inflexível, com regras e horários desenhados a partir das necessidades do ambiente (família ou berçário). Ela precisa ser estabelecida pelas necessidades particulares de cada bebê. Pensemos na rotina do dormir.

É compreensível que se o bebê dormisse num horário pré-determinado – e a noite toda – a vida familiar seria facilitada. No entanto, ele pode não estar com sono às oito da noite (permitindo maior tempo livre dos adultos); ou, ao contrário, pode estar bastante cansado e pronto para seu repouso às sete horas, antes do retorno dos pais para casa. É o próprio bebê quem revela suas necessidades.

Da mesma forma, a ideia de que qualquer lugar é lugar para o bebê dormir não o ensina onde, e por sua vez quando, deve dormir. Como dormir também é importante porque os rituais sinalizam que este momento está chegando. Ninar um dia, colocar musiquinha no outro, dar voltinha de carrinho em outra ocasião impede o bebê de se preparar, sempre da mesma forma, para o momento tão especial que é o dormir – mas poderia ser o banho, a alimentação, a brincadeira, o passeio e tantos outros momentos que fazem parte de sua vida.

Mesmo com o ritmo biológico irregular é possível e recomendável que os cuidados com os bebês se ajustem às necessidades dele e ocorram sempre de maneira muito semelhante, garantindo conforto e estabilidade. Quando, onde, como e com quem, nos primeiros meses de vida, são essenciais não apenas para a instalação da rotina, mas, principalmente, para o crescimento saudável da criança. Lá na frente, se a rotina foi bem instalada, ela pode ser rompida eventualmente sem que isso desestabilize ou perturbe a criança e o ambiente.

Por Patrícia Leekninh Paione Grinfeld – Psicóloga

Autora no site: Ninguém Cresce Sozinho

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade