PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Da mãe que pensa
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Da mãe que pensa

Da mãe que pensa

09/01/2017
  620   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Da mãe que pensa, sofre, senta, chora e levanta, dança, grita, ri, vira cambalhota.

Pois é.

Ser mãe é ser bipolar.

Ou tripolar.

Ou quadripolar.

Tenho aprendido no todo dia.

E mais importante, estou – aos poucos, diga-se bem – conseguindo lidar com tudo isso.

Sim.

Corro o risco de ser só comigo.

De a bipolar mesmo ser eu, não a maternidade.

Só que acontece que eu comecei a chamar a maternidade de montanha russa desde que me vi grávida.

Então, tenho pra mim que é tudo um conjunto.

E eu não falo de bipolaridade com preconceito.

Falo porque eu tenho me analisado e, numa tarde, eu consigo ir de música clássica a heavy metal sem nem perceber.

Explodo de raiva ao mesmo tempo que me encolho ao mesmo tempo que explodo de orgulho pelos feitos do Isaac.

Choro ao mesmo tempo que rio ao mesmo tempo que dou bronca ao mesmo tempo que dou cambalhotas.

Desenho animado, cara amiga?

Não.

Eu, sendo eu mesma, sendo a mãe em que me desenvolvo.

Lógico que eu inflo a loucura toda aqui pra dar graça.

Mas é assim que me vejo.

Semana passada saí correndo da sala e me tranquei no banheiro para derrubar duas lágrimas.

Sim, choro na frente do Isaac sim, ele tem uma mãe humana e sabe disso.

Mas eu corri pro banheiro porque eu não ia saber explicar o motivo das duas lágrimas.

Então me tranquei mesmo porque na hora me pareceu mais fácil.

Aí, veja você, esta madrugada tive uma revelação.

Estar entregue a todos os sentimentos ao mesmo tempo é quase que uma exigência nesse ramo.

O de criar filhos.

Um plus curricular.

Explico.

Melhor, pensa na cena:

Você lá, com a cria, toda trabalhada na música alegre, feliz, dançante, todo mundo girando e rodando pela sala até que o menininho começa a pular no sofá.

E a festa continua.

Até que o menininho lindo resolve que subir no parapeito da janela é a nova moda.

Incrementada pelo salto mortal triplo direto nas almofadas.

E aí? Faz o quê?

Mantém a vibe?

Segura aloka e finge que não viu?

Ahã.

Eu não sei você, mas eu observei a primeira, a segunda, a terceira, a quarta rodada de pulos.

E em todas elas acompanhada daquela vozinha dizendo “vai dar merda, vai dar merda, vai dar merdaaaaaaaa”.

Ouvi a vozinha, mudei a música, sentei no chão com a mão na cabeça e dei um grito interno.

Antes do externo, claro.

Que saiu assim, como se fosse liberto de uma década de isolamento.

Deu pra entender?

Só pra completar o raciocínio… depois do grito, logico que corri pro abraço, beijei, até sorri.

Mas um segundo depois estava séria, olho no olho, dissertando sobre as consequências ortopédicas de uma queda.

Né?

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade