PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Da Sensibilidade
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Da Sensibilidade

Da Sensibilidade

19/03/2015
  413   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

sensiilidade

Isaac vem desenvolvendo suas características de personalidade todo dia. Toda hora.

Mas já é certo que ele é pessoa sensível.

E é mais sensível ainda porque observa cada movimento que esse mundo dá.

Bom,

Além disso tudo ele é apaixonado pela sétima arte.

Filmes novos, antigos, animação ou não, curta, longa. Ele se abre a tudo.

Admira, assiste, analisa e pergunta por dias e meses, dependendo do impacto que a produção causa sobre sua pessoinha em formação.

Esse ano mesmo fomos assistir “As aventuras de Pi”.

Certa de que era um drama, arrisquei e fui feliz.

Isaac adorou, mas até hoje usa o filme como referência para um momento triste.

E não precisa ser assiiiim triste. Mas ele liga.

Usa pra explicar a intensidade da tristeza que ele ainda tenta entender.

Ontem a noite, pediu que eu lesse “Alice” antes de dormir.

Ele ouve atento as primeiras linhas, páginas.

Mas depois que a menina cai no buraco e se vê alí, entre crescer e decrescer, afogada na insegurança e curiosidade, Isaac suspira.

– Sabe mamãe, eu fico um pouco triste com esse livro aí.

– É filho??? Mas tem alguma parte que te faça sentir essa tristeza?

– Não. Eu fico triste assim, igual quando o Richard Parker foi para a floresta e deixou o Pi lá, sozinho.

Fechei o livro, dei um abraço e só disse que é normal sentir tristezas em algumas histórias ou filmes.

Que tem gente que gosta de escrever história triste, mas que são só histórias.

Disse que é normal a gente sentir vontade de chorar e é normal chorar se der vontade.

Ele chorou. Quietinho.

Apertou o rosto contra a baleia de pelúcia (Jubartina, registro aqui pra não te esquecer nunca, tá?).

– Mas eu vou ter sonhos ruins com esse livro aí.

– Bom, Isaac, isso a mamãe não tem como arrumar. Mas você sabe que se esse sonho ruim vier é só chamar, né?

– Sei. E você vem? Mesmo no sonho?

– Se você quiser eu vou sim.

E dormiu, meu pequeno, descobrindo que o país da Alice, o dele, o meu, não é essa Maravilha toda…

Carol Garcia

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade