PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Eficácia da Vacina DTa (dupla tipo adulto)
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Eficácia da Vacina DTa (dupla tipo adulto)

Eficácia da Vacina DTa (dupla tipo adulto)

21/09/2016
  2988   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A vacinação de adolescentes e adultos é uma das coisas mais negligenciadas na saúde. As crianças recebem suas vacinas nos primeiros anos, mas quanto aos adolescentes e adultos, a história é outra. Uma das vacinas do calendário de imunização brasileiro é a Dupla tipo Adulto, que deve ser dada entre 10 e 19 anos, geralmente recomendada para ser recebida aos 15 anos, com reforço a cada 10 anos. É uma vacina para Difteria e Tétano.

Nos EUA, a vacina foi alterada e um trabalho mostra a eficácia da nova vacina. A diminuição da eficiência da vacina de reforço deixou adolescentes na Califórnia vulneráveis ​​à coqueluche, também conhecida como coqueluche, de acordo com um estudo na edição de março 2016 da revista Pediatrics.

As crianças americanas recebem a vacina contra a difteria, tétano e pertussis acelular (DTPa) nas idades de dois, quatro, seis e de 12 a 18 meses, e nas idades de quatro a seis anos para proteger contra estas três doenças mortais. Adolescentes recebem uma dose de reforço de rotina do tétano, difteria e coqueluche da vacina (dTpa) – uma formulação de vacina ligeiramente diferente – aos 11 ou 12 anos.

Para o estudo, pesquisadores do Kaiser Permanente do Norte da Califórnia examinou surtos de coqueluche na Califórnia, em 2010 e 2014, entre os membros adolescentes da organização de manutenção da saúde.

Quase todos  os adolescentes tinham sido vacinados com dTpa. Com base em 1.207 casos de coqueluche, os autores do estudo descobriram que a vacinação de rotina dTpa não impediu surtos de coqueluche. A dTpa fornecia uma defesa moderada contra a doença durante o primeiro ano após a vacinação, mas não por muito mais tempo. A imunidade diminuía durante o segundo ano, com pouca proteção em dois e três anos após a vacinação.

Este exemplo mostra a importância dos testes e pesquisas clínicas para renovar ou lançar produtos como vacinas e medicações usados na prevenção e no tratamento de doenças.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte : Pediatrics, March 2016

 

  • “Waning Tdap Effectiveness in Adolescents”

 

Nicola P. Klein, Joan Bartlett, Bruce Fireman, Roger Baxterhttp://www.sbim.org.br/wp-content/uploads/2015/10/

  1. calend-sbim-adolescente-11-19-anos-2015-16-150828-spread.pdf
  2. http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/197-secretaria-svs/13600-calendario-nacional-de-vacinacao

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e a orientação de seu pediatra. Podem haver variações no tratamento que o profissional pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade