PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Fatores Sociais e Econômicos Associados a Deficiências de Desenvolvimento
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Fatores Sociais e Econômicos Associados a Deficiências de Desenvolvimento

Fatores Sociais e Econômicos Associados a Deficiências de Desenvolvimento

07/04/2017
  1269   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

As crianças que crescem em circunstâncias ambientais de desvantagem social e econômica são mais propensas a ter deficiência de desenvolvimento.

Fatores de risco materno:

1- Pobreza extrema

2- Baixo nível socioeconômico

3- Doença mental

4- Abuso de drogas lícitas ou não

5- Vivendo em comunidades onde os riscos ambientais são abundantes e os recursos são limitados

6- Fatores de Risco Pré-Natal e Perinatal

7- Nascimento prematuro

8- Baixo peso de nascimento

9- Anormalidades do sistema nervoso central

10- Hospitalizações prolongadas que podem drenar os recursos da família e interferir na relação entre pais e filhos

 

Para muitas crianças, os riscos ambientais são agravados durante seus primeiros anos. A pobreza continua sendo um dos fatores de risco mais complexos e de maior alcance, porque afeta tantos aspectos da vida de uma criança.

Em 2006, aproximadamente 1 em cada 5 crianças americanas menores de 6 anos e 16% das crianças entre 6 e 17 anos viviam em situação de pobreza. A taxa para crianças de todas as idades que vivem em famílias chefiadas por uma única mulher foi de 42%. Nesse mesmo ano, aproximadamente 17% das crianças (12,6 milhões) viviam em casas com insegurança alimentar. As crianças que estavam empobrecidas também eram mais propensas a ter um nível de chumbo no sangue de 10 μg / dL ou maior. As crianças que vivem na pobreza são 1,7 vezes mais propensas a terem baixo peso ao nascer.

Muitas vezes, as crianças e suas famílias estão presas em um ciclo de desvantagem e deficiência que é difícil escapar, a menos que seja interrompido por forças sociais externas ou os esforços extraordinários de indivíduos e famílias.

No Brasil temos, há muitos anos, os programas como Fome Zero e outras ações específicas para crianças como Brasil Carinho, SP Carinhosa, e Criança Feliz, da atual primeira dama, Marcela Temer, que visam diminuir este problema.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte Saúde Ambiental Pediátrica, 3ª Edição (Copyright © Academia Americana de Pediatria 2011)

http://www.fnde.gov.br/programas/brasil-carinhoso

http://www.saopaulocarinhosa.prefeitura.sp.gov.br/

www.mds.gov.br/crianca-feliz/

 

A informação contida neste Web site não deve ser usada como um substituto para o cuidado médico eo conselho de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que seu pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade