PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O que eu preciso saber sobre abuso infantil?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O que eu preciso saber sobre abuso infantil?

O que eu preciso saber sobre abuso infantil?

16/05/2017
  1238   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O abuso infantil é comum. Os jornais e notícias de TV estão tão cheios de relatos sobre maus-tratos infantis que você não pode deixar de se perguntar quanto é seguro para seu filho viver nesse mundo.

Embora seja um erro tornar-se superprotetor e fazer seu filho medroso, é importante reconhecer os riscos reais e familiarizar-se com os sinais de abuso. Aproximadamente três milhões de casos de abuso e negligência de crianças envolvendo quase 5,5 milhões de crianças são relatados a cada ano nos EUA. A maioria dos casos relatados aos Serviços de Proteção à Criança envolve negligência, seguida de abuso físico e sexual. Há uma considerável sobreposição entre as crianças que são abusadas, muitas sofrendo uma combinação de abuso físico, abuso sexual e / ou negligência.

Para a UNICEF, a face mais trágica das violações de direitos que afetam meninos e meninas no Brasil são os homicídios de adolescentes. De 1990 a 2014, o número de homicídios de brasileiros de até 19 anos mais que dobrou: passou de 5 mil para 11,1 mil casos ao ano (Datasus, 2014). Isso significa que, em 2014, a cada dia, 30 crianças e adolescentes foram assassinados. As vítimas têm cor, classe social e endereço. São em sua maioria meninos negros, pobres, que vivem nas periferias e áreas metropolitanas das grandes cidades. A taxa de homicídio entre adolescentes negros é quase quatro vezes maior do que aquela entre os brancos: 36,9 a cada 100 mil habitantes, contra 9,6 entre os brancos (Datasus, 2013).

Dos adolescentes que morrem no País, 36,5% são assassinados. Na população total, esse percentual é de 4,8% (Índice de Homicídios na Adolescência no Brasil, 2015). Esse cenário perturbador coloca o Brasil em segundo lugar no ranking dos países com maior número de assassinatos de meninos e meninas de até 19 anos, atrás apenas da Nigéria (Hidden in Plain Sight, UNICEF, 2014).

O Brasil tem uma das legislações mais avançadas do mundo no que diz respeito à proteção da infância e da adolescência. No entanto, é necessário adotar políticas públicas capazes de combater e superar as desigualdades geográficas, sociais e étnicas do País e celebrar a riqueza de sua diversidade.

A maior parte do abuso infantil ocorre dentro da família. Os fatores de risco incluem depressão dos pais ou outros problemas de saúde mental, história de abuso infantil e violência doméstica. A negligência e a maltrato de crianças também são mais comuns em famílias que vivem em situação de pobreza e entre pais que são adolescentes ou são usuários de drogas ou álcool. Embora seja certamente verdade que o abuso infantil ocorre fora de casa, na maioria das vezes as crianças são abusadas por um cuidador ou alguém que conhecem, não um estranho.

Abuso sexual é qualquer atividade sexual que uma criança não pode compreender ou consentir. Inclui atos como carícias, contato oral-genital e relações sexuais genitais e anais, bem como exibicionismo, voyeurismo e exposição à pornografia. Estudos têm sugerido que até um em cada quatro meninas e um em cada oito meninos serão abusados ​​sexualmente antes de ter dezoito anos de idade. O abuso físico ocorre quando o corpo de uma criança é ferido como resultado de bater, retroceder, agitar, queimar, ou a outra mostra de força. Um estudo sugere que cerca de 1 em 20 crianças foi fisicamente abusada em sua vida.

A negligência infantil pode incluir a negligência física (não fornecimento de comida, roupas, abrigo ou outras necessidades físicas), negligência emocional (incapacidade de prover amor, conforto ou afeto) ou negligência médica (não fornecer cuidados médicos necessários). O abuso psicológico ou emocional resulta de tudo o que foi dito acima, mas também pode ser associado com abuso verbal, que pode prejudicar a autoestima da criança ou bem-estar emocional.

Nem sempre é fácil reconhecer quando uma criança foi abusada. Crianças que foram maltratadas muitas vezes têm medo de contar a alguém, porque pensam que serão culpadas ou que ninguém vai acreditar nelas. Às vezes eles permanecem quietos porque a pessoa que os abusou é alguém que eles amam muito, ou por causa do medo, ou ambos. Os pais também tendem a ignorar sinais e sintomas de abuso, porque eles não querem enfrentar a verdade. Este é um grave erro. Uma criança que tenha sido vítima de abuso necessita de apoio e tratamento especiais o mais cedo possível. Quanto mais tempo ele continua a ser abusado ou é deixado para lidar com a situação por conta própria, menos provável que ele tenha uma recuperação completa.

Os pais devem sempre estar atentos a quaisquer mudanças inexplicáveis ​​no corpo ou no comportamento da criança. Enquanto as lesões são muitas vezes específicas para um incidente de abuso físico, a mudança de comportamento tende a refletir a ansiedade que resulta de uma situação estressante de qualquer tipo. Não há comportamentos que identifiquem um determinado tipo de abuso infantil. Segue quinze sinais de alerta:

1- Qualquer lesão (contusão, queimadura, fratura, lesão abdominal ou na cabeça) que não pode ser explicada.

2- Dor genital ou sangramento, bem como uma doença sexualmente transmissível.

3- Alterações comportamentais que suscitam preocupação com possíveis abusos;

4- Comportamento temeroso ( pesadelos , depressão, medos incomuns)

5- Dor abdominal, enurese (especialmente se a criança já foi controlava os esfíncteres)

6- Tentativas de fuga de casa.

7- Comportamento sexual extremo que parece inadequado para a idade da criança.

8- Mudança repentina na autoconfiança.

9- Dores de cabeça ou dores de estômago sem causa médica.

10- Medos anormais, pesadelos aumentados.

11- Falha ou alteração no rendimento escolar.

12- Comportamento extremamente passivo ou agressivo.

13- Fracasso para ganhar peso (especialmente em bebês) ou súbito dramático ganho de peso.

14- Comportamento afetuoso ou afastamento social.

15- Grande apetite e roubo de alimentos.

Na maioria dos casos, as crianças que são abusadas ou negligenciadas sofrem maior dano emocional do que danos físicos. Abuso e negligência emocional e psicológica negam à criança as ferramentas necessárias para lidar com o estresse e aprender as lições da vida. Assim, uma criança que é severamente maltratada pode ficar deprimida ou desenvolver comportamentos suicidas, retirados ou violentos. À medida que envelhece, ele pode usar drogas ou álcool, tentar fugir, recusar disciplina ou abusar dos outros. Como um adulto, ele pode desenvolver dificuldades conjugais e sexuais, depressão ou comportamento suicida. Identificar uma criança vítima é o primeiro passo. Reconhecer a importância do trauma precoce para o desenvolvimento futuro é crucial para ajudar a vítima.

Nem todas as vítimas de abuso têm reações graves. Normalmente, quanto mais jovem a criança, mais tempo o abuso continua, e quanto mais próxima a relação da criança com o agressor, mais grave será o dano emocional. Uma relação estreita com um adulto, muito apoio, pode aumentar a resiliência, reduzindo alguns dos impactos.

Se você suspeitar que seu filho foi abusado, procure ajuda imediatamente através do seu pediatra ou de uma agência local de proteção à criança. Os médicos são obrigados legalmente a relatar todos os casos suspeitos de abuso ou negligência às autoridades estaduais. Seu pediatra também irá detectar e tratar quaisquer lesões ou doenças médicas, recomendar um terapeuta e fornecer informações necessárias aos investigadores. O médico também pode testemunhar em tribunal, se necessário, para obter proteção legal para a criança ou processo criminal de um suspeito de abuso sexual. Processamento criminal raramente é procurado em casos de abuso físico leve, mas ocorrerá em casos envolvendo abuso sexual.

Se ele foi abusado, seu filho vai se beneficiar dos serviços de um profissional de saúde mental qualificado. Você e outros membros da família podem ser aconselhados a procurar aconselhamento para que você seja capaz de fornecer o apoio e conforto que seu filho precisa. Se alguém em sua família é responsável pelo abuso, um profissional de saúde mental pode ser capaz de tratar essa pessoa com êxito, também.

Se seu filho foi abusado, você pode ser a única pessoa que pode ajudá-lo. Não há nenhuma boa razão para atrasar o relato de suas suspeitas de abuso. Negar o problema só fará a situação pior, permitindo que o abuso continue e diminuindo a chance do seu filho para uma recuperação completa.

Em qualquer caso de abuso, a segurança da criança é a principal preocupação. Ele ou ela precisa estar em um ambiente seguro livre do potencial de abuso contínuo.

As principais razões para maus-tratos físicos e psicológicos das crianças dentro da família muitas vezes são sentimentos parentais de isolamento, estresse e frustração. Os pais precisam de apoio e tanta informação quanto possível para criar seus filhos de forma responsável. Eles precisam ser ensinados a lidar com seus próprios sentimentos de frustração e raiva sem revertê-los nas crianças. Eles também precisam do companheirismo de outros adultos que vão ouvir e ajudar em tempos de crise. Grupos de apoio através de organizações da comunidade local muitas vezes são primeiros passos úteis para diminuir alguns do isolamento ou frustração que os pais podem estar sentindo. Os pais que foram eles próprios vítimas de abuso como crianças, em particular, precisam de apoio.

A supervisão pessoal e o envolvimento nas atividades do seu filho são as melhores maneiras de prevenir o abuso físico e sexual fora de casa. Qualquer escola ou programa de assistência à infância que você selecionar para o seu filho deve permitir visitas sem restrições e sem aviso prévio sem pré-arranjo. Os pais devem ser autorizados a ajudar na sala de aula em uma base voluntária e ser informado sobre a seleção ou mudanças de membros da equipe. Os pais devem prestar muita atenção aos relatos e reações de seus filhos sobre suas experiências na escola. Sempre investigar se o seu filho lhe diz que ele foi maltratado ou se ele sofre uma mudança repentina inexplicável no comportamento.

Embora você não queira assustar seu filho, você pode ensinar algumas regras básicas de segurança de uma maneira não ameaçadora. Ensine-o a manter sua distância de estranhos, a não se afastar de você em território desconhecido, a dizer “não” quando alguém lhe pede para fazer algo contra sua vontade, e sempre para lhe dizer se alguém o machuca ou faz ele se sentir mal. Lembre-se sempre que a comunicação aberta e bidirecional com seu filho oferece a melhor chance de saber quando ocorre um problema. Enfatize que ele não vai ficar em apuros se ele te falar sobre o abuso ou outros eventos confusos. Enfatize que você precisa saber isso para poder mantê-lo seguro e que ele ficará bem se ele lhe disser. Em vez de ensiná-lo que ele está cercado por perigo, ensiná-lo que ele é forte, capaz, e pode contar com você para mantê-lo seguro, contanto que ele possa falar sobre isso.

Saiba mais: https://institutopensi.org.br/?s=violencia+infantil

https://www.youtube.com/watch?v=lWIC4vJ1jVo&t=29s

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

  1. Fonte Cuidar do seu bebê e da criança: Nascimento até a idade 5 (Copyright © 2009 Academia
  2. https://www.unicef.org/brazil/pt/activities.html
  3. http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2015/07/milhares-de-criancas-e-adolescentes-sao-vitimas-da-violencia-no-brasil.html

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade