PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Pequenas mentiras, pequenos furtos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Pequenas mentiras, pequenos furtos

Pequenas mentiras, pequenos furtos

23/04/2013
  3326   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Esses comportamentos fazem parte do crescimento infantil. Contudo, é preciso mostrar o que é certo e errado às crianças

Furtos e Mentiras Infantis

No Brasil de hoje muitas vezes nos confrontamos com problemas éticos de nossos dirigentes e, para criarmos cidadãos, precisamos passar aos nossos filhos os valores que julgamos corretos e isso se inicia desde muito jovem.

Mentir e roubar são infrações comuns, mas inadequadas, nos comportamentos das crianças em idade escolar. Enquanto algumas formas graves desses comportamentos possam indicar um problema psicológico mais preocupante, em outros se referem a um comportamento comum que será superado. Mentir e roubar são mais comuns em meninos que em meninas, e ocorrem com mais frequência entre crianças de 5 a 8 anos.

Como lidar com a situação quando o seu filho está mentindo?

Quando confrontado com uma criança que mente, é importante lembrar, primeiramente, a idade da criança e o estágio de desenvolvimento:

• Crianças com menos de 3 anos de idade não mentem de propósito. Nessa faixa etária, elas não entendem o que dizem e, em vez disso, estão apenas experimentando a linguagem e os novos fatos apurados sobre o mundo. Os pequenos também podem mentir para evitar a punição por entenderem as consequências, mas tem um código moral pouco desenvolvido;

• Crianças entre as idades de 3 a 7 anos, muitas vezes, têm problemas que separam o mundo real da fantasia. Eles poderiam ter amigos imaginários nessa idade e desfrutar de contos de fadas e do faz de conta. As mentiras contadas por esse grupo etário são, na sua maioria, contos que ajudam a criar mentiras intencionais;

• Com a idade de 6 ou 7, no entanto, as crianças compreendem o que é mentira, mas vão continuar a enganar, se possível. Crianças entre as idades de 6 a 12 entendem o ato de mentir e a incorreção moral deste comportamento. No entanto, há aquelas que podem continuar com essa atitude, a fim de testar as regras e os limites dos adultos. O pequeno pode admitir que contou uma mentira, mas, geralmente, ele ou ela tem muitas razões para fazer isso. Regras são muito importantes nesta idade e, por meio delas, a mentira se torna menos atraente.

Outros fatores que podem levar uma criança a mentir:

As crianças podem mentir se as expectativas dos pais são muito altas, como, por exemplo, contar mentiras sobre as notas escolares se os responsáveis assumem que eles são melhores na escola do que realmente são, como também:

• A criança se pergunta por que ele ou ela fez algum mau comportamento, ela pode mentir, por ser incapaz de explicar as ações;

• As crianças que não são disciplinadas em uma base consistente podem mentir por não ter os parâmetros adequados;

• As crianças que não recebem elogios e recompensas podem mentir para obter atenção.

Quando é que mentir se torna uma preocupação?

Há várias situações que podem causar preocupação. Se algum desses se aplicar ao seu filho, é importante consultar um pediatra:

• A criança mente e, ao mesmo tempo, tem outros problemas comportamentais, tais como maltratar os animais, problemas de sono, hiperatividade ou mais problemas psicológicos;

• A criança que não tem muitos amigos ou não quer jogar em grupos podem ter baixa autoestima e depressão;

• A criança mente a fim de obter algo de alguém e não mostra nenhum sinal de arrependimento.

Lidando com a situação quando o seu filho furta

Muitas vezes, roubar causa mais preocupação para os pais, pois pode acontecer fora de casa e pode afetar outras pessoas. Durante os anos de escola, o roubo pode ser um sinal de um problema, mas também pode ser um resultado da pressão dos pares e da necessidade de a criança ser incluída em um grupo. É importante olhar para toda a situação.

• Crianças com menos de 3 anos de idade: elas não entendem totalmente a diferença entre o que é “meu” e o que não é. Elas, então, podem se tornar possessivas com os pertences e protegê-los, e não roubam com más intenções;

• Crianças entre as idades de 3 e 7 anos: deve começar a respeitar as coisas que pertencem aos outros. No entanto, este grupo etário vai pegar o objeto sem levar em conta o valor, mas sim se ele é desejado. O respeito pela propriedade continua na criança em idade escolar.

No momento em que a criança está com 9 anos, ela deve respeitar as posses dos outros e compreender que roubar é errado. Nessa faixa etária, ela pode continuar a roubar por causa de vários fatores, incluindo:

• Pressão dos colegas e da necessidade de ser incluído no grupo;
• Ter baixa autoestima;
• Não ter nenhum amigo e resolver “comprá-los”;
• Tentam se tornar bons em roubar e sentem orgulho de algo que fizeram de errado por não receberem feedback positivo dos pais.

Quando é que roubar se torna uma preocupação?

Há várias situações que podem causar preocupação. Se algum desses se aplicar ao seu filho, é importante consultar o médico:

• Uma criança mais velha que rouba e não se sente mal com isso;
• Uma criança que constantemente rouba;
• Se outros problemas comportamentais também existem na criança.

Crianças com mais de 3 anos de idade devem ser confrontados em qualquer situação de mentira ou roubo, mas é importante lembrar que a maioria desses comportamentos são parte do crescimento e não representam problemas graves. Porém, necessitam ser ensinados do que é certo ou errado, segundo os valores que você deseja passar a eles.

Por Dr. José Luiz Setúbal
Fonte: Haines, Cynthia, MD Roux, Susan L., Krames StayWell, 780 Township

Esta informação não é pretendida como um substituto para cuidados médicos profissionais. Siga sempre as instruções do seu profissional de saúde.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade