PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Quando a religião e a curiosidade se unem…
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Quando a religião e a curiosidade se unem…

Quando a religião e a curiosidade se unem…

17/07/2015
  398   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

quando a religião

Nesse mundo existem várias combinações explosivas.

Umas, como sabemos e esperamos, são catastróficas.

Outras, são explosivamente boas.

Ponto.

Religião sempre foi um assunto muito aberto aqui em casa.

Mesmo porque, aqui não temos preconceito, somos super abertos, curiosos e sedentos por informações (de todo tipo, confesso, mas sobre religião é bom de ouvir).

Ponto.

E vírgula.

Além de sermos católicos não praticantes.

(Eu pratico, mas do meu jeito. Alguns entendem, outros não)

Temos um respeito enorme pelo espiritismo.

Vírgula.

Então, Isaac cresce nesse cenário.

Ouve a mãe falar “Meu Deus!!!” várias vezes ao dia e fazemos nossa oração de agradecimento antes de dormir.

O pequeno já me pediu para conversar com os anjos e já filosofou sobre onde está a bisa que faleceu.

Ponto.

Mas o melhor disso é que, além de ter fé, ele aprendeu a conviver com as várias perguntas que uma religião carrega, seja ela qual for.

Vírgula.

Questiona sobre o tamanho do Papai do Céu.

Se ele é sozinho.

Como ele é e existe.

Se ele é amigo do Papai Noel.

Como ele faz chover.

E se chove, como ele se molha.

Se mora em cima das nuvens e como faz pra não cair de lá.

Ponto.

Até que um dia.

Três pontinhos.

Se deparou com um livro.

E o livro contava a história de uma bruxa.

E a bruxa, danada, tinha um cachorro que se chamava Demônio.

Vírgula.

E demônio é ser tão complexo de ser explicado como Deus.

Ainda mais para uma criança de 5 anos, com a imaginação à milhão.

Ponto.

E eu pensei.

Pelos segundos que tive.

E sei lá por qual motivo, me veio um jogo de video game em mente.

– Então Isaac, o demônio…

– Quem é mãe, quem é?

– Bom, no seu jogo não tem uma hora que tem um cara mauzão pra matar?

– Tem. O chefão. É muito difícil ganhar dele.

– Pois bem, o demônio, é tipo um chefão dos vilões.

– Hummmmm…

– Entendeu?

– Sim… O cara deve ser durão, né mãe?

– Como todos nós Isaac, tem vezes que sim, tem vezes que não.

– E é difícil de matar esse vilão?

– A gente nem precisa matar, filho, eu acho que a gente pode só deixar ele de lado. Acreditar que somos mais fortes que ele.

– Entendi.

– Mais alguma pergunta?

– Posso comprar esse livro?

assinatura-carol-v3 (3)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade