PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Tom e Jerry e a polêmica do politicamente incorreto
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Tom e Jerry e a polêmica do politicamente incorreto

Tom e Jerry e a polêmica do politicamente incorreto

03/10/2013
  2926   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O desenho faz parte do grupo de programas televisivos vistos como maus exemplos para as crianças. Será mesmo?

tom e jerry politicamente incorreto

Não foi surpresa alguma para mim quando li nos jornais que o canal Cartoon Network deixaria de exibir o desenho Tom e Jerry, pois ele foi considerado politicamente incorreto. Não faz muito tempo também que li que o Sítio do Picapau Amarelo e os contos de fadas já possuem versões politicamente corretas. Para piorar esta onda, até as cantigas de crianças passaram a ter versões adaptadas aos novos tempos e não se pode mais atirar o “pau no gato”. O mundo politicamente correto me parece muito aborrecido!

Não sei as razões das quais o clássico Tom e Jerry foi vetado, um desenho que fez a alegria da minha geração nas matinês de domingo e nos cinemas da Paulicéia tantos anos atrás. Quem não se lembra da perseguição do gato Tom na busca desesperada de capturar o esperto rato Jerry, sempre com uma trilha sonora excepcional, com obras primas da música clássica. Perdemos nós os mais velhos, já que uma parte de nossa memória se vai, mas perdem muito mais as crianças de hoje que serão privadas destas animações maravilhosas.

Não sou psicólogo ou pedagogo, mas, como pediatra, li muitos autores sobre esse tema, e a fantasia se sobressaiu como uma das armas ou ferramentas (sendo politicamente correto, uma vez que as armas também foram banidas) para a criança poder lidar com a frustração e o medo. Os pequenos sabem que não é certo maltratar um animal, mas, se por um motivo qualquer sentirem raiva dele, talvez seja melhor atirar o pau no gato cantando a música. A criança não mistura fantasia com realidade, mas usa a fantasia para enfrentar a realidade. Se quiser ver como isto funciona, leia o maravilhoso “História sem fim”, que tem uma ótima versão para o cinema.

Várias gerações brincaram de polícia e ladrão, ou de cowboy ou de outras atividades que envolviam “lutas” e, raramente, as crianças se machucavam. Porém, se divertiam muito! Qual a criança que não brincou com uma arma de esguichar água em parques, piscinas ou praias, mesmo que molhando um ou outro adulto desavisado que passava da linha de tiro?

Venho de uma geração onde era “proibido proibir” e na minha educação aprendi que você deve assumir as consequências de suas escolhas. Se um pai não quer expor o seu filho aos desenhos do Tom e Jerry, que o impeça. Se não quer que ele cante “atirei o pau no gato”, ensine a versão politicamente correta. Se quiser que o lobo mau seja um lobo bom, que conte esta história. O mesmo vale com as armas, videogames ou brincadeiras consideradas politicamente erradas.

Cansei de ouvir pais falarem que seus filhos só comem “porcarias” e “besteiras” ou só bebem refrigerantes, e a minha pergunta era sempre (cheia de ironia e sarcasmo):

“- Nossa que horror!! Mas quem é que compra estas coisas e quem dá isto para eles? E como você deixa isto acontecer?”

É muito fácil demonizar as propagandas, mas nós temos sempre a opção de ir pelo caminho saudável e do que achamos ser correto, mesmo que isto frustre nossos filhos e netos. Frustração na medida certa é algo bom e prepara para a vida. Os pais precisam saber colocar limites e não deixar para as autoridades (que votam conforme os intere$$e$).

Quanto a mim, vou comprar os desenhos do Tom e Jerry e do Pica-Pau (outro injustiçado) para mostrar aos meus netos. Lerei Monteiro Lobato, Andersen, Irmãos Grimm e La Fontaine nas versões originais e politicamente incorretas. Afinal, cresci ouvindo “É proibido proibir!” do Caetano Veloso.

Para os que acham este mundo aborrecido, alguns minutos de risos incorretos:

Tom e Jerry:  http://www.youtube.com/watch?v=zVBLefi_Fqk

Pica-Pau: http://www.youtube.com/watch?v=qRTWF3nPB1c

É proibido proibir:  http://letras.mus.br/caetano-veloso/395621/

Por Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • José Reynaldo disse:

    Adorei o texto, meu pai também me levava aos cinemas para assistir Tom e Jerry nas manhãs de domingo e acho que aquilo só acrescentou na minha vida, pois não me esqueço as saudosas horas de convívio com meu amado pai. Assisti também muito Combate, Rin Tin Tin e filmes de cowboys e nem por isso concordo com as guerras, com tacar fogo em índios e lutas em saloons. Tem uma parte da sociedade que é hipócrita. Ah, por falar nisso, não sei se é o mesmo, mas quando ouço Gershwin sempre lembro do Tom e Jerry

  • Maria Helena d'Ancora disse:

    Dr. Jose Luis, parabéns pela matéria! Faço minhas as suas palavras! Aliás aqui em casa os meninos adoram o Tom e Jerry e tenho vários DVDs do Sitio… Só quem viveu essa infância sabe o quanto benéfica pode ser a nossos pequenos…
    Um abraço, MH

  • Fernanda disse:

    Totalmente de acordo!Por regra, acho tudo o que é politicamente correcto muito aborrecido. E uma grande hipocrisia! Não serão estas inibições que impedirão a violência latente no ser humano, mas apenas a frustrarão. Aprender a lidar com ela, brincando, parece-me muito mais sadio.
    Também não sou psicóloga, parece-me puro bom senso!

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade