PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Uso de linguagem gestual após o implante coclear pode retardar o desenvolvimento verbal
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Uso de linguagem gestual após o implante coclear pode retardar o desenvolvimento verbal

Uso de linguagem gestual após o implante coclear pode retardar o desenvolvimento verbal

25/07/2017
  670   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Desde que li o livro “Longe da Árvore”, de Andrew Solomon, que trata sobre pessoas com as mais diversas formas de deficiências, me deparo com a controvérsia do ensino da linguagem dos sinais para pessoas com deficiência auditiva.

A explicação abaixo das professoras Eucia Beatriz Lopes PeteanI e Camila Dellatorre Borges pode ser instrutiva:

O déficit auditivo constitui-se em um fator importante, pois acarreta problemas que vão além do comprometimento de fala, percebendo-se atrasos no desenvolvimento cognitivo e social. Entretanto, de acordo com Santoro (1996), a surdez, mesmo afetando algumas experiências de vida, não limita a inteligência, a capacidade emocional ou o desenvolvimento e maturação normais. A autora salienta que a literatura se encontra repleta de pesquisas apontando um atraso acadêmico, mas pondera que este pode decorrer não da capacidade intelectual do aluno, porém do seu desempenho linguístico. Desse modo, observa-se que o desenvolvimento de uma criança surda é influenciado pelo acesso que possui aos meios pelos quais aprende a linguagem, seja ela falada ou não.

Por outro lado, a questão de comunicação para a criança surda tem sido ponto de controvérsia entre profissionais e pesquisadores, que se acham divididos em oralistas, que acreditam que independente do grau de déficit auditivo o surdo deve ser levado a falar e a desenvolver competência linguística oral e assim ser integrado ao mundo dos ouvintes e os bilinguistas que enfatizam a importância da comunicação seja ela oral ou não. ”

Já um estudo publicado em julho de 2017 na revista Pediatrics analisa o impacto que a exposição a linguagem de sinais precoce, teve em crianças que receberam implantes cocleares.

O estudo “Exposição de linguagem de sinais precoce e Benefícios de implantação coclear” utilizou dados de uma base de dados nacional americana para documentar habilidades verbais em crianças com implantes cocleares que diferiram na quantidade e duração da exposição precoce em linguagem de sinais em suas casas ou em programas de intervenção.

Os pesquisadores descobriram que mais de 70% das crianças sem linguagem gestual apresentaram linguagem falada semelhante aos seus companheiros de idade com audição normal, em comparação com apenas 39% das pessoas expostas ao sinal durante três ou mais anos. Crianças cujas famílias usaram linguagem falada exclusivamente também tiveram melhores habilidades de reconhecimento de fala e fala mais inteligível após três anos de uso de implantes. Eles também demonstraram uma vantagem estatisticamente significativa no idioma falado e na leitura perto do final das notas elementares sobre as crianças expostas à linguagem gestual. As crianças cujos pais usaram linguagem de sinais eram significativamente mais propensas do que as crianças de pais não assinantes a exibir atrasos de linguagem falada em notas elementares e a recair de crianças da mesma idade em compreensão de leitura pelos níveis de ensino médio tardios.

Os autores concluem que, neste estudo, a exposição precoce à linguagem de sinais não aumentou a linguagem oral ou as habilidades de leitura.

Pais e pediatras concordam sobre a importância de garantir o desenvolvimento físico, emocional e social ideal de cada criança. Em grande parte, devido ao seu impacto na comunicação, a perda de audição congênita ameaça seriamente esse desenvolvimento. Ao decidir como se comunicar com seus filhos, os pais de crianças surdas ou com deficiência auditiva (DHH), 92% de quem tem audição normal, foram despedaçados por muitos anos pelo acrimonioso debate entre advogados de linguagem gestual versus defensores da educação auditiva e oral.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics June 2017

    1. Early Sign Language Exposure and Cochlear Implantation Benefits”
      1. Ann E. Geers, Christine M. Mitchell, Andrea Warner-Czyz, Nae-Yuh Wang, Laurie S. Eisenberg, the CDaCI Investigative Team

 

  • “Opportunities and Shared Decision-Making to Help Children Who Are Deaf to Communicate”

 

      1. Karl R. White , Louis Z. Cooper

 

  • “Deficiência auditiva: escolarização e aprendizagem de língua de sinais na opinião das mães”

 

    1. Eucia Beatriz Lopes PeteanI; Camila Dellatorre Borges
  1. 4.   Implante cocleares pelo SUS:
    1. http://gov.br/saude/2016/11/implantes-cocleares-podem-ser-colocados-gratuitamente-pelo-sus
  2. Linguagem dos sinais brasileiro (libras) https://www.youtube.com/watch?v=gP1jgtTJAXI

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade