PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A polêmica do parto em casa
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A polêmica do parto em casa

A polêmica do parto em casa

25/06/2012
  444   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O ato de “dar à luz” deve ser acompanhado por profissionais capacitados, a fim de que possam intervir diante de qualquer anormalidade

No domingo, dia 17 de junho, houve pelo Brasil todo, passeatas a favor do parto em casa. O assunto polêmico foi levantado, desta vez, por um programa de TV, onde um professor da UNIFESP, renomada universidade paulista, expunha sua opinião favorável ao parto domiciliar em casos muito bem estabelecidos. Para aumentar a discussão o Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ), por meio de um conselheiro, pediu ao Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP) que advertisse o colega paulista por ir contra às resoluções dos conselhos regionais de medicina sobre o assunto.

Em fevereiro deste ano, publicamos neste blog o artigo: “Parto em casa, é mesmo seguro?” que levantou alguma polêmica. O texto faz referência à uma ativista australiana do parto domiciliar que morreu, após o parto de sua segunda filha, apesar de toda a assistência e de ter ido para o hospital. A filha sobreviveu e passa bem.

Volto ao assunto não porque acredito que cesárea seja o melhor, longe disso, cesáreas, como todo procedimento médico, têm riscos e indicações, se os médicos e pacientes brasileiros preferem fazê-las, cabe a nós criticar e orientar a população para os riscos destes atos. Como já foi dito anteriormente, as mulheres e bebês morriam a uma taxa assustadora no século XVIII e XIX, tanto em partos domiciliares como em hospitalares, o que não é a realidade da cidade de São Paulo. Embora os indicadores brasileiros estejam melhorando, eles ainda estão longe dos de países desenvolvidos. As medidas do governo como as do Brasil carinhoso, vão nesta direção.

Ao contrário do que alguns fanáticos dizem, o parto hospitalar é um ganho das mulheres, as queixas se dão muito mais com relação ao afastamento mãe/bebê, taxas de infecção hospitalar e cesáreas com datas marcadas. Todos estes argumentos poderiam ser derrubados, bastando uma política de conscientização dos médicos e de maternidades assim também como das mães.

A indicação de parto domiciliar pelo colega da UNIFESP e dos artigos publicados em revistas médicas pelo mundo, restringe-se a partos de baixíssimo risco, em mães de determinadas faixas etárias, saudáveis, com pré-natal bem feito e acompanhado de perto, sem intercorrências, como diabetes gestacional, aumento de pressão, etc. O ato de “dar à luz” deve ser acompanhado por médico e por pessoas capacitadas e com um serviço de emergência preparado para atender qualquer intercorrência em tempo hábil. Como se vê, um procedimento para poucos.

Outra coisa que causa confusão é o chamado “parto natural”, com música ambiente relaxante, dentro da água etc. Nada menos “natural”, já que só peixes e mamíferos aquáticos têm filhos dentro da água.

Parto é um momento de estresse e não de relaxamento, deve envolver uma atitude proativa por parte da mãe e não de relaxamento. As pessoas que estão dando assistência devem estar atentas e não relaxadas, pois é um procedimento de risco. Lembrando que pelo menos 1% dos partos de baixo risco (tanto domiciliares como hospitalares) acabam tendo complicação.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade