PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Adolescentes com doenças crônicas e as universidades
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Adolescentes com doenças crônicas e as universidades

Adolescentes com doenças crônicas e as universidades

19/11/2014
  471   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Diferentemente dos EUA, o Brasil não tem os cursos básicos (colleges) das faculdades americanas e também boa parte de nossos universitários dispõe de algum atendimento de saúde, seja suplementar seja pelo SUS.

Cerca de 20% dos jovens cursando a faculdade têm uma condição médica crônica, mas relativamente poucos colleges norte-americanos têm os recursos de saúde adequados para identificar ou apoiar estes alunos.

No estudo publicado na Pediatrics de outubro, investigadores examinaram uma amostra nacionalmente representativa de diretores médicos dos centros de saúde de 200 faculdades de quatro anos em os EUA.

Eles foram questionados sobre a sua capacidade para identificar e cuidar de alunos com condições crônicas de saúde, como asma, diabetes e depressão. No geral, 42% das escolas não tinha sistema para identificar os jovens com condições médicas crônicas. Quase um terço (31%) relataram a criação de um cadastro de jovens com condições crônicas de saúde de revisão de registros de saúde de entrada, enquanto que cerca de um quarto das escolas em contato com a juventude recebida com condições médicas crônicas para agendar uma consulta inicial ou check-in. Esta extensão foi mais provável feito em escolas particulares ou menores.

Os autores do estudo concluem que, apesar de muitas escolas poderem fornecer serviços e gestão de algumas condições de cuidados primários, a maioria das escolas não fornecem monitoramento adequado ou follow-up para jovens com condições médicas crônicas, e menos ainda em contato com eles para um compromisso inicial. Faculdades são encorajadas a aumentar o alcance e a disponibilidade destes sistemas para ajudar os alunos a manter o controle da doença e alcançar o sucesso pessoal e acadêmico.

A intenção de colocar este artigo é de alertar aos pais dos adolescentes, que mesmo em sociedades desenvolvidas e em grandes centros universitários a preocupação com a saúde dos jovens é deixada de lado. Pais e cuidadores de jovens com doenças crônicas devem alertá-los que a responsabilidade de cuidar da sua saúde deixará de ser dos pais e passará a ser destes jovens, e devemos prepara-los para isto.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal
Fonte: Article: “ College Health Service Capacity to Support Youth With Chronic Medical Conditions” Pediatrics oct 2014

As informações contidas neste site não deve ser usado como um substituto para o atendimento médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade