PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
As crianças com epilepsia
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
As crianças com epilepsia

As crianças com epilepsia

18/11/2016
  1382   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

As crianças com epilepsia enfrentam muitas consequências físicas e psicológicas como apresentado pelos autores do estudo “Experiências de epilepsia infantil: uma revisão sistemática de estudos qualitativos” que aparece na edição de setembro da Pediatrics. O documento revisou a literatura a partir de 43 artigos envolvendo 951 crianças com idades entre 3-21 anos, para avaliar como essas consequências afetam a qualidade de vida de crianças com epilepsia.

Os autores descobriram que as crianças com epilepsia possuem maiores níveis de vulnerabilidade, impotência e da discriminação. Muitos dizem que enfrentam um futuro incerto à luz das fracassadas terapias e terapias. Crianças e adolescentes percebem que a epilepsia os obriga a desistir de seu senso de privacidade, controle corporal, normalidade, liberdade e confiança para participar na escola e atividades sociais. Eles relatam serem “esmagados” pelas incertezas diárias atribuídas ao tempo imprevisível e dano potencial de convulsões, efeitos colaterais do tratamento em curso, e a impermanência da remissão. No entanto, pacientes jovens se sentem capacitados para a autogestão, quando fornecido com o apoio dos pais e médico, incluindo informações relevantes sobre a epilepsia, o tratamento e os impactos psicossociais mais amplos (por exemplo, planejamento familiar).

Como toda criança ou pessoa com uma doença crônica que as obriga a tomar medicação e impor limitações em sua vida, o problema do bullying e de preconceito persiste e precisamos atuar como agentes para terminar com este tipo de atitude.

Os autores concluem que quando os pais e médicos abordam o estigma da criança, futura independência, e o medo da morte, podem ajudar a melhorar o bem-estar geral das crianças com epilepsia.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fontes: Pediatrics August 2016

Children’s Experiences of Epilepsy: A Systematic Review of Qualitative Studies

Lauren Chong, Nathan J. Jamieson, Deepak Gill, Davinder Singh-Grewal, Jonathan C. Craig, Angela Ju, Camilla S. Hanson, Allison Tong

As informações contidas neste site não devem ser utilizadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o seu pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade