PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
Dentição do bebê: Não, a febre do seu bebê não foi causada por ela
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Dentição do bebê: Não, a febre do seu bebê não foi causada por ela

Dentição do bebê: Não, a febre do seu bebê não foi causada por ela

10/08/2018
  492   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

É muito comum dizer que febre pode aparecer como sintoma da erupção dos dentes de leite a partir, geralmente, dos seis meses de vida. Pais, avós, tios e vizinhos, todos têm uma simpatia ou remedinho para isso.

As crianças nesta fase apresentam as gengivas inchadas e babam muito, pois são os sintomas mais comuns da dentição do bebê. Evite medicar esses sintomas dos dentinhos, diz a boa prática médica nestes casos.

Mas, apesar dos conselhos que os pais podem ter ouvido, uma nova análise na revista Pediatrics confirma que as febres de alta temperatura não são um sinal de dentição. Pelo contrário, pode ser um sinal de outra doença, e pais e médicos não devem simplesmente ignorá-la.

Se uma criança tem uma febre muito alta, ou está em desconforto significativo, ou não vai comer ou beber nada por dias, isso é uma bandeira vermelha para preocupação.

A análise não descartou completamente a intuição dos pais. Os sintomas mais comuns da dentição do bebê foram gengivas inchadas, salivação e irritabilidade. Os sintomas não devem durar mais de três a cinco dias, mas que pode se prolongar muito mais tempo.

O estudo disse que a dentição pode levar a um aumento na temperatura do corpo ainda abaixo de 37,5°C. A dentição, segundo o estudo, também está associada à diminuição do apetite, problemas de sono, diarreia leve, erupções cutâneas e vômitos.

Ao longo da história, os pais, assim como os profissionais, atribuíram vários males à dentição do bebê. Foi, talvez, uma explicação fácil para o comportamento em constante mudança de uma criança e de doenças durante os primeiros anos vulneráveis ​​das crianças.

“Os bebês de dentição sofrem comichão nas gengivas, febre, convulsões, diarreia, especialmente quando cortam os dentes do olho”, observou Hipócrates no século IV aC.

Por centenas de anos, os profissionais médicos acreditavam que a dentição causava a morte de crianças. Quando Lucy, filha do presidente americano Thomas Jefferson morreu aos 17 anos, uma carta do médico dizia que “ela caiu como Mártir para os males complicados da dentição”.

O relatório de 1842 do Registro Geral da Inglaterra e País de Gales atribuiu 12% de todas as mortes de crianças menores de quatro anos à dentição. A “Ciclopédia da Doença de Crianças”, de 1891, um respeitado texto médico da época, dizia: “As crianças que foram fortes e saudáveis ​​até o período da dentição muitas vezes caem e morrem, enquanto as delicadas ou doentes passam por ela. Impunidade aparente”.

Mas à medida que a assistência médica melhorou, ficou cada vez mais claro que havia outras razões por trás da mortalidade infantil, e a dentição do bebê era mais um aborrecimento do que uma doença.

Ainda assim, há muitas crenças e conselhos antigos para pais com bebês irritadiços e babados. Então, como eles devem gerenciar a dentição?

Uma fralda de pano ou algodão molhada em água fria frio ou brinquedo de dentição (mordedor) pode ajudar com o desconforto.

Os analgésicos infantis também podem ser uma opção, mas recomendamos os pais a serem cuidadosos. O uso regular pode levar à cárie dentária e o acetaminofeno é uma das principais causas de doença hepática em crianças. Fique longe dos anestésicos tópicos que contêm benzocaína e lidocaína.

A benzocaína pode levar à metemoglobinemia, uma condição rara, mas grave e às vezes fatal, em que a quantidade de oxigênio transportada pela corrente sanguínea é reduzida. Crianças com menos de dois anos parecem correr um risco especial, disse a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA.

De acordo com o Institute for Safe Medication Practices, as overdoses de lidocaína têm sido associadas com nervosismo, confusão, problemas de visão, vômitos, adormecimento com muita facilidade, tremores e convulsões.

Embora possa ser um momento difícil, os sintomas do início da dentição do bebê são normais. Todo a criança vai ter isso de maneiras um pouco diferentes, por isso preste atenção nos sintomas. Aja para melhorá-los. Se as coisas ficarem fora de controle, entre em contato com o pediatra.

Saiba mais sobre este assunto:

As dúvidas dos pais sobre saúde bucal.

Saúde bucal infantil: dúvidas frequentes.

Os primeiros dentinhos…

Hospital Infantil.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: https://us.cnn.com :Por Nadia Kounang, CNN

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade