PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A depressão está aumentando entre os jovens
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A depressão está aumentando entre os jovens

A depressão está aumentando entre os jovens

28/12/2016
  872   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A depressão é uma das doenças mais mortais entre os jovens e está associada ao aumento da automutilação entre os adolescentes. O grande problema é que apesar da medicação antidepressiva ter melhorado muito a vida das pessoas, a incidência parece aumentar em toda as faixas etárias e aparecendo cada vez mais cedo. Antes uma coisa rara, hoje é comum ver jovens com sintomas de depressão.

Um estudo, publicado em dezembro 2016 na revista Pediatrics mostra que a depressão está aumentando entre os jovens, especialmente entre adolescentes e meninas.

Os investigadores analisaram dados das Pesquisas Nacionais sobre Uso de Drogas e Saúde entre os anos 2005-2014 para os adolescentes americanos, com idades entre 12-17, e adultos jovens, com idades entre 18-25.

Descobriram que a prevalência de episódios depressivos aumentou em adolescentes de 8,7% em 2005 para 11,3% em 2014 (um aumento de 37%) e de 8,8% para 9,6% entre os jovens adultos. O estudo constatou também que o aumento da depressão foi um pouco mais proeminente entre as adolescentes, o que se alinha com estudos anteriores que mostram aumentos maiores nos sintomas depressivos entre as meninas do que nos meninos. Pesquisadores afirmam que a diferença de gênero pode ser atribuída à maior exposição a fatores de risco de depressão entre as meninas, incluindo telefones móveis com aplicativos de mensagens de texto, devido à ligação de uso do telefone problemática e humor depressivo.

Os autores concluem o crescente número de adolescentes deprimidos e jovens que não recebem qualquer tratamento de saúde mental para os seus sintomas exigem esforços de longo alcance renovados, especialmente em campi universitários, práticas pediátricas e em escolas para aumentar a detecção e manejo desta doença.

É importante os pais procurarem auxilio médico ao se observarem os primeiros sintomas e não ter preconceito com relação a isso.

Saiba mais:

Depressão infantil: O que os pais podem fazer?

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte Pediatrics December 2016, VOLUME 138 / ISSUE 6

National Trends in the Prevalence and Treatment of Depression in Adolescents and Young Adults

Ramin Mojtabai, Mark Olfson, Beth Han

As informações contidas neste site não devem ser utilizadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o seu pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade