PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Especial férias: dicas para andar de bike
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Especial férias: dicas para andar de bike

Especial férias: dicas para andar de bike

24/06/2013
  377   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Saiba como proteger as crianças na hora de se divertir em um passeio de bicicleta

férias - dicas para andar de bicicleta

Andar de bicicleta é um hábito que as crianças adoram. Com as ciclovias e as ruas fechadas aos domingos e aos feriados na cidade de São Paulo, elas usam cada vez mais este meio para o lazer.

Para que a diversão seja garantida, a criança precisa usar capacete em cada passeio de bicicleta, não importa quão pequena ela é ou quão perto de casa ela esteja. Muitas lesões acontecem em calçadas e em ciclovias. Saiba que o pequeno aprende melhor observando os pais. Por isso, dê o exemplo e coloque o capacete sempre que você for andar de bike.

Não empurre o seu filho da bicicleta se ela estiver sem rodinhas. Faça quando ele estiver pronto para isso. Considere a coordenação da criança e o desejo dela em aprender a andar.

Leve seu filho com você na hora de comprar a bicicleta para que ele possa experimentá-la. O valor dela pelo tamanho adequado supera a sensação de surpresa da criança por algo novo. Compre uma bicicleta que esteja adequada ao tamanho do pequeno, não uma em que ele tenha que “crescer.” Bikes extragrandes podem ser perigosas.

Ao comprar um capacete, procure um rótulo ou uma etiqueta que diz que ele cumpre a norma de segurança do Inmetro. Tudo isso porque o acessório tem como função proteger a criança de lesões graves e deve ser usado sempre. Lembre-se: crie o hábito do uso do capacete em todas as saídas com a bike para que ele seja desenvolvido pela criança.

Um capacete deve ser usado de modo que atenda o nível da cabeça, que cubra a testa e que não seja inclinado para frente ou para trás. A pulseira deve ser bem fixada, com cerca de dois dedos capazes de caber entre o queixo e o capacete. Não se pode se esquecer da confortabilidade e é importante que ele não seja demasiado apertado. A cabeça deve mover-se com o acessório quando a criança olhar para os lados.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade