PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Dor abdominal em crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Dor abdominal em crianças

Dor abdominal em crianças

04/04/2017
  40721   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A dor abdominal é uma das queixas mais comuns na infância e adolescência. Veja algumas de suas causas:

1- Constipação é muitas vezes culpada por dor abdominal e, embora seja raramente um problema em bebês, é uma causa comum de dor em crianças mais velhas, especialmente na parte inferior do abdômen. Quando a dieta de uma criança carece de abundância de líquidos, frutas e vegetais frescos e fibra rica em grãos inteiros, os problemas intestinais são mais prováveis ​​de ocorrer. Para obter mais informações, fale com seu pediatra.

2- As infecções do trato urinário (ITU) são muito mais comuns em meninas de um a cinco anos do que em crianças mais novas. ITUs podem produzir desconforto no abdômen e na área da bexiga, bem como alguma dor e queimação ao urinar. Essas crianças também podem urinar mais frequentemente e possivelmente molhar a cama. No entanto, a infecção geralmente não produz uma febre. Se o seu filho se queixar desses sintomas, leve ao pediatra, que irá examinar e verificar sua urina. Se uma infecção está presente, um antibiótico será prescrito, o que irá eliminar tanto a infecção com a dor abdominal.

3- Amigdalite por estreptococo é uma infecção de garganta causada por bactérias chamadas estreptococo. Ocorre com frequência em crianças com mais de três anos de idade. Os sintomas e sinais incluem dor de garganta, febre e dor abdominal. Pode haver alguns vômitos e dor de cabeça também. Seu pediatra vai querer examinar o seu filho e examinar a sua garganta para verificar se há bactérias estreptococo. Se os resultados forem positivos para a estreptocococia, o seu filho terá de ser tratado com um antibiótico.

4- A apendicite é muito rara em crianças com menos de três anos de idade e raridade com menos de cinco anos de idade. Quando ocorre, o primeiro sinal é, muitas vezes, uma queixa de dor de estômago constante no centro do abdômen, e mais tarde a dor se move para baixo e para o lado direito.

5- Envenenamento por chumbo ocorre mais frequentemente em crianças que vivem em uma casa mais velha, onde a pintura à base de chumbo tem sido usada. Crianças nessa faixa etária podem comer pequenos pedaços de tinta nas paredes e em madeira. O chumbo é então armazenado em seus corpos e pode criar muitos problemas de saúde graves. Os pais também devem estar cientes de brinquedos ou outros produtos com conteúdo de chumbo inaceitável. Os sintomas de envenenamento por chumbo incluem não só dor abdominal, mas também constipação, irritabilidade (a criança é exigente, chorando, difícil de satisfazer), letargia (ela está com sono, não quer jogar, tem um apetite pobre) e convulsões. Se o seu filho está exposto a tinta de chumbo, comeu pedaços de tinta ou foi exposto a brinquedos com rachaduras, descamação ou pintura lascada e tem algum dos sintomas acima, ligue para o pediatra. Ele pode pedir um exame de sangue para chumbo e aconselhá-lo sobre o que mais precisa ser feito.

6- Alergia ao leite é uma reação à proteína no leite, e pode produzir dor abdominal cólicas, muitas vezes acompanhada de vômitos, diarreia e erupção cutânea.

7- O transtorno emocional em crianças em idade escolar às vezes causa dor abdominal recorrente que não tem outra causa óbvia. Embora esta dor raramente ocorra antes dos cinco anos de idade, pode acontecer com uma criança mais jovem que está sob estresse incomum. A primeira pista é a dor que tende a vir e ir ao longo de um período de mais de uma semana, muitas vezes associada com a atividade que é estressante ou desagradável. Além disso, não há outras descobertas ou queixas associadas (febre, vômitos, diarreia, tosse, letargia ou fraqueza, sintomas do trato urinário, dor de garganta). Também pode haver um histórico familiar deste tipo de doença.

 

Seu pediatra pode sugerir maneiras de ajudar seu filho a falar sobre seus problemas. Por exemplo, ele pode aconselhá-lo a usar brinquedos ou jogos para ajudar a criança a representar seus problemas. Se você precisar de assistência adicional, o pediatra pode encaminhá-lo para um terapeuta infantil, psicólogo ou psiquiatra.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Fonte Cuidar do seu bebê e da criança: Nascimento até a idade 5 (Copyright © 2009 Academia Americana de Pediatria)

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade