PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Encontro com Doutores
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Encontro com Doutores

Encontro com Doutores

14/12/2016
  582   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

No mês de Novembro o Pronto Sorrir participou do Encontro de Palhaços em Rede organizado pelos Doutores da Alegria, que tinha o intuito de refletir sobre o trabalho do artista dentro dos Hospitais. Entre mesas, debates e oficinas, refleti muito sobre o trabalho de humanização que fazemos no Pronto Sorrir.

O que é um humano? É tão complexo esse termo, então fica mais fácil concluir o que não é humano: nossas máscaras idealizadas de sermos bonzinhos, fofinhos, cuti-cuti, enfim, termos que a cultura insiste em afirmar, principalmente sobre o comportamento que a criança e que o profissional que lida com a criança devem ter. Isso não é humano. Está muito longe de ser. Humano é uma complexa rede de comportamentos, reações, sentimentos, valores e ações de uma pessoa.

A criança percebe a farsa. A criança é sincera e espontânea, sente dor, raiva, fica de saco cheio, impaciente, sente prazer em fazer coisas “erradas” pra compreender limites ou apenas para subverter paradigmas que ela questiona. O artista que entra no hospital para trabalhar com a criança hospitalizada deve estar imbuído desse mesmo espírito: inquieto, maravilhado com o mundo, questionador, inadequado às ordens sociais e acima de tudo, espontâneo.

O profissional que entra no hospital para trabalhar com a criança pode estar ou não fantasiado, usar ou não a máscara do palhaço, tocar ou não um instrumento, saber ou não fazer truques de mágica ou malabarismo, mas o que ele não pode deixar pra fora é: sua presença. Presença de espírito. Tem que ter escuta. Tem que saber contar uma história e ouvir  dez. Tem que saber cantar uma música e ouvir as canções do coração de quem o ouve, tem que saber fazer uma piada e aprender outras tantas. Tem que ouvir as necessidades de quem está ali, fragilizado, que muitas vezes é só ouvir e aceitar o não de quem não quer a presença desse artista ali. Isso é empoderamento.

A função do artista é valorizar o que aquele ser quer naquele instante: se ele quer só olhar, só contar um caso dele, então é isso. Se ele ou ela está  inconsciente, é trata-lo da mesma forma de quando essa pessoa está consciente, pois essa relação ficará guardada em fragmentos de memória, como num sonho. Tudo chega até o centro do ser quando o interlocutor está verdadeiramente presente.

Não é a função do artista salvar ninguém. Não vamos mudar o mundo. Mas talvez transformar o momento presente em algo um pouco melhor, um pouco mais delicado, engraçado, divertido, leve, um pouco mais humano. Ser humano. Veja, ninguém falou que seria fácil. Tem um verbo antes do humano: ser. É um exercício diário, uma lapidação constante de deixarmos de ser o que a cultura nos moldou a sermos, para sermos quem realmente somos. Não somos consumidores. Somos. Apenas somos. E temos tantas cores. Às vezes somos floridos, às vezes fedidos, às vezes somos serelepes, às vezes  jururus, doentes, mas a essência não muda. E é para essa essência que trabalhamos. Para relembrarmos que apesar de que tudo passa, até a uva passa, a doença passa, a vida passa, mas essa estrelinha que pulsa e faz os olhos brilharem e a gente sorrir ao encontrar outra estrelinha brilhando, essa brilha sempre e cada vez mais alto.

Por isso vamos sempre celebrar o encontro. O contato. A celebração da vida. Estou aqui presente com você. Preparei essa piada para você, vou contar uma história e ouvir a sua, pois me importo com você. Às vezes não direi nada, ficarei em silêncio ao seu lado.  Essa é a nossa arte: a arte da presença, do encontro, de ser humano para ser humano.

Comunicação PENSI

Comunicação PENSI

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade