PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Escutar uma criança
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Escutar uma criança

Escutar uma criança

10/10/2011
  738   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Eles têm pouca idade e também tamanho. Mas têm muito a dizer e só precisam de alguém que os ouça. E você, já ouviu uma criança?

 

Escutar uma criança nos dias de hoje pode parecer simples, mas não é exatamente uma tarefa fácil. Muitas vezes, por trás de uma simples fala, pode estar escondido um temor, uma dificuldade na escola, uma fobia, uma dor física (dor de ouvido, por exemplo), ou até mesmo algo mais grave como uma doença ou um trauma.

Alguns processos psíquicos que ocorrem principalmente na primeira infância (até, digamos 04 ou 05 anos), são absolutamente esperados e necessários para uma constituição psicológica saudável. É impossível tornar uma criança imune a alguns sentimentos e sofrimentos negativos como decepção pelo papai não chegar tarde, ciúmes do amigo que agora só anda com o outro amigo, medo de armário aberto ou luz apagada, vergonha por fazer xixi nas calças, etc.

A dificuldade de falar de uma criança não se dá somente por uma inibição ou problemas de desenvolvimento de linguagem. Entre balbuciar algumas silabas e palavras, até o início da construção de frases e sentenças, existe um tempo onde o pequeno candidato a adulto não possui recursos de linguagem suficiente para traduzir o império de suas paixões: amor, raiva, angustias e demandas. É engraçado escutar uma criança usando palavras como “seu lâmpada”, “seu cara de xícara” para expressar uma raiva por exemplo. Nesse tempo ela usa os recursos que tem. As crianças são verdadeiros poetas buscando nos significados das palavras as representações de suas emoções

Casa é casa. No entanto, “casa” para Maria é acolhedor, para o Pedrinho é aterrorizante, já para o João é algo que ele nunca teve. Para cada um deles “casa” tem uma significação diferente, particular, único. Isso vale também para os pais onde a palavra “casa” remete a uma significação muito particular. Os problemas de comunicação entre pais e filhos se dão exatamente no campo da significação. “Eu falo, dou bronca, mas ele não me escuta” são falas exaustivamente comuns no consultório.

Escutar uma criança é diferente de ouvi-la. Ouvir está no campo do sentido que a palavra carrega (casa é casa). Escutar está no campo da significação. Quando um filho mostra para sua mãe um desenho, ele pode estar simplesmente querendo um reconhecimento amoroso, ou pode estar tentando indicar no seu desenho um problema maior que está se passando na escola e não consegue dizer. Escutamos uma criança no brincar, em um gesto, no que está por trás da sua fala, em uma rispidez, em uma atuação, em um gaguejo ou uma doença.

Escutar é decifrar a criança no que está para além do verbal. E quando escutamos de verdade, e levamos a sério aquilo que percebemos em nossos filhos que não são falados diretamente, teremos poderosas dicas e preciosos sinais de como conduzir de modo mais eficaz problemas como baixo rendimento escolar, déficit de atenção e hiperatividade, depressão, comportamento agressivo (bullying), ansiedade, fobias, etc. Confiar na intuição é um bom começo para começar a escutar.

 

Por Yan Pinheiro

Psicólogo do Hospital Infantil Sabará

 

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Barbara disse:

    Muito bom ler este texto. Na verdade são coisas que nós sabemos, mas no dia-a-dia acabamos não dando a atenção necessária. E ao ler, me deu “um clique”. Acho que preciso ouvir mais minha filha que fará 6 anos em janeiro. Ouvir com paciência, ter um tempo para conversar com ela. Coisa que eu não faço. Tudo é sempre corrido e com certeza coisas que podem ser importantes, talvez passem sem a devida atenção.
    Vou refletir sobre isso e mudar meu comportamento.

    🙂

  • Muito bom! Está na hora de toda a sociedade aprender a escutar as crianças! Elas tem muito a nos dizer! Não só sobre si mesmas, mas sobre nós, pais, e o mundo que vivemos!

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade