PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Gagueira em crianças e pré-escolares: o que é típico, o que, não é?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Gagueira em crianças e pré-escolares: o que é típico, o que, não é?

Gagueira em crianças e pré-escolares: o que é típico, o que, não é?

26/04/2018
  20247   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

À medida que os bebês e pré-escolares se tornam cada vez mais verbais, eles podem começar a tropeçar em suas palavras, levantando preocupações sobre a gagueira. Como pai, como você sabe quando as dificuldades são uma parte normal do desenvolvimento, escrevemos aqui

Não é incomum que crianças pequenas tenham problemas na fala (por exemplo, repetição de palavras ou frases). De fato, cerca de 5% de todas as crianças tendem a ser disfluentes em algum momento de seu desenvolvimento, geralmente entre as idades de dois anos e meio a cinco anos. Também é muito comum uma criança ir e voltar entre períodos de fluência e disfluência. Às vezes, isso pode ocorrer sem razão aparente, mas muitas vezes isso acontece quando uma criança está excitada, cansada ou se sente apressada para falar.

Durante esse período, as crianças estão expandindo seus vocabulários rapidamente e aprendendo regras complexas de linguagem. Essas regras permitem que as crianças mudem mensagens simples (“suco de mamãe”) em frases mais longas e complicadas que exigem mais coordenação motora para produzir suavemente (“mamãe coloca o suco na xícara azul”). É natural que possa haver algumas perturbações ao longo do caminho.

Para a maioria das crianças e pré-escolares, a maioria das disfluências desaparece sozinhas após um curto período de tempo. Em outros casos, as disfluências persistem e os sinais da gagueira tornam-se mais evidentes. Obter ajuda profissional cedo oferece as melhores chances de reduzir a gagueira. Mas como os pais podem dizer a diferença entre a disfluência típica que desaparecerá e os primeiros sinais de disfluências não típicas que podem indicar a gagueira?

Se o seu filho está realmente gaguejando, ele ou ela pode segurar o primeiro som em uma palavra, dizendo “Às vezes nós ficamos em casa”, ou repetir o som, como em “Olhe para o bbb-bebê!” Além disso, as crianças que gaguejam muitas vezes desenvolvem outros maneirismos, como piscar os olhos, boca tensa, olhar para o lado e evitar contato visual.

 

Fatores de Risco para Gagueira:

1- A história familiar é o maior preditor de uma criança ter probabilidade de gaguejar;

2- Os meninos jovens têm duas vezes mais chances de gagueira do que as meninas, e os meninos da escola primária têm três a quatro vezes mais chances de gaguejar do que as meninas;

3- Idade de início. As crianças que começam a ter dificuldades aos 4 anos de idade são mais propensas a ter uma gagueira persistente do que aquelas que começam a gaguejar em uma idade mais jovem;

4- Distúrbios de fala e / ou linguagem coexistentes aumentam a probabilidade de uma criança gaguejar.

 

Se você está preocupado com o discurso do seu filho, converse com seu pediatra sobre como obter uma avaliação de fala e linguagem. Uma avaliação completa de um fonoaudiólogo certificado pode ajudá-lo a determinar melhor se a gagueira provavelmente persiste. Os fonoaudiólogos ajudarão os pais a determinar o melhor curso de ação (por exemplo, monitorar de perto a fluência da criança, inscrever-se em serviços de tratamento e / ou educação dos pais).

O tratamento precoce da gagueira é muito importante, pois é mais provável que seja eliminada quando a criança é jovem (antes de ingressar no ensino fundamental). Existem duas abordagens principais de tratamento para a gagueira:

1- O tratamento indireto é quando o fonoaudiólogo ajuda os pais da criança a modificar seus próprios estilos de comunicação. Abordagens indiretas são efetivas em reduzir ou mesmo eliminar a gagueira em muitas crianças pequenas;

2- O tratamento direto envolve o fonoaudiólogo que trabalha com as próprias crianças individualmente ou em pequenos grupos, dando-lhes estratégias de fala específicas para facilitar as palavras e reduzir a tensão durante os eventos de gagueira. Além disso, o tratamento direto pode envolver ajudar a criança a diferenciar entre fala suave (fluente) e acidentada (gaguejada).

 

Depois dos sete anos, torna-se improvável que a gagueira desapareça completamente. Ainda assim, depois dos sete anos, o tratamento pode ser muito eficaz para ajudar a criança a administrar efetivamente a gagueira – ajudando a desenvolver habilidades necessárias para lidar com situações difíceis (por exemplo, provocações e bullying) e a participar plenamente da escola e das atividades. Para crianças mais velhas, o tratamento da fala ainda é benéfico, encorajado e eficaz para ajudar a reduzir a gravidade e o impacto da gagueira.

 

Aqui estão algumas maneiras pelas quais os pais podem ajudar:

 

  • Reduza o estresse de comunicação. Existem diferentes técnicas para colocar menos pressão sobre uma criança em uma situação de fala. Repensar as perguntas como comentários (usando ” Você jogou bola hoje na escola. Deve ter sido divertido!”, Em vez de “O que você fez na escola? ”) É uma abordagem eficaz. Os pais também podem fazer o melhor para reduzir as situações que desencadeiam a gagueira do filho;
  • Fale sobre isso. Quando as crianças estão conscientes de sua gagueira, é melhor estar aberto e falar sobre isso de uma forma positiva. Deixe-os saber que é bom ter “discurso acidentado”. Se uma criança não parece estar ciente do problema, não há necessidade de trazê-la até que você esteja vendo um fonoaudiólogo;
  • Pratique a paciência. Dê às crianças tempo para terminar o que estão dizendo. Não se apresse ou interrompa. Não diga a eles para “desacelerar” ou “pensar sobre o que você quer dizer”. Frases como essas geralmente não ajudam as crianças com gagueira;
  • Modelo bons hábitos de fala. Embora dizer a uma criança como falar geralmente não seja útil, os pais podem modelar hábitos de fala que ajudam na gagueira, como diminuir a velocidade quando falam, fazer mais pausas entre frases e falar de maneira descontraída;
  • Procure um profissional. Existem muitas maneiras de encontrar um fonoaudiólogo. O pediatra de uma criança pode fornecer uma recomendação. Crianças menores de três anos podem receber uma avaliação gratuita por meio de seu Programa de Intervenção Precoce local. Se uma criança tiver mais de três anos, os pais podem contatar a escola pública local para uma avaliação gratuita. Os pais também têm a opção de procurar um fonoaudiólogo privado com uma criança em qualquer idade. Um banco de dados pesquisável desses profissionais está disponível aqui. Uma lista de especialistas em gagueira está disponível aqui. Detalhes

Se você continuar a ter preocupações sobre o discurso do seu filho, peça uma reavaliação ou encaminhamento para um teste formal adicional.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Fonte Direitos autorais © 2015 American Academy of Pediatrics e American Speech-Language-Hearing Association

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade