PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Gestão das crianças quanto ao uso de mídias sociais
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Gestão das crianças quanto ao uso de mídias sociais

Gestão das crianças quanto ao uso de mídias sociais

09/01/2014
  491   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Eis algumas medidas tanto para pais e educadores na hora de administrar o tempo de contato de crianças e adolescentes

crianças e mídias sociais

Da TV para a internet, as vidas atuais de crianças e suas famílias são dominadas pela exposição nas mídias sociais. Apesar disso, os pequenos, e até mesmo os adolescentes, têm poucas regras para o uso delas, embora seja uma preocupação dos pais que, muitas vezes, se sentem perdidos.

De acordo com a política da Academia Americana de Pediatria (AAP), “Crianças, Adolescentes e a Mídia”, lançada na Conferência Anual da AAP em Orlando, a era digital é o momento ideal para mudar a forma como usamos a mídia.

Enquanto a mídia por si só não é a principal causa de algum problema de saúde nos EUA, ela pode contribuir para vários riscos. Ao mesmo tempo, as crianças podem aprender muitas coisas positivas. Porém, o problema está na busca pelo consenso entre pais, pedagogos, psicólogos, etc. sobre a forma mais saudável de usá-la.

Segundo a AAP, as mídias sociais afetam a juventude e o uso excessivo delas tem sido associado com:

Obesidade;

A falta de sono;

• Problemas escolares;

 • Agressão.

Outros problemas de comportamento

Um estudo recente mostra que a média de crianças entre 8 e 10  anos  gasta quase 8 horas por dia com diferentes meios de comunicação e os adolescentes passam mais de 11 horas por dia. Crianças que têm uma TV no quarto podem dispender mais tempo ainda. Cerca de 75% usam telefones celulares e quase todos os adolescentes usam os aparelhos para trocar mensagens de texto.

A quantidade de tempo gasto com as mídias sociais é um problema. No lado positivo, as que são pró-sociais não só podem ajudar as crianças e os adolescentes a aprenderem fatos, mas também podem contribuir para ensinar empatia, tolerância racial e étnica, e toda uma gama de habilidades interpessoais. Pediatras se preocupam com o que as crianças veem online, quanto tempo elas gastam com determinada mídia e com as questões de privacidade e segurança na internet.

A declaração política da AAP oferece recomendações para os pais:

• Os pais podem ter um modelo eficaz para fazer uma “dieta da mídia” para ajudar os filhos a aprenderem a serem seletivos e saudáveis com o que eles consomem. Eles podem ter também um papel ativo na educação infantil por meio de programas, pois a co-visualização ajuda a discutir valores;

Faça um plano de uso da mídia, incluindo horário para as refeições, para dormir e de tempo a ser gasto em contato com ela. Telas devem ser mantidas fora dos quartos das crianças;

Limitar o tempo de tela de entretenimento para menos de uma ou duas horas por dia em crianças menores de 2 anos.

Já as instituições devem trabalhar com as escolas para incentivar a educação para a mídia, o uso inovador da tecnologia para ajudar os alunos a aprender e ter regras sobre o conteúdo a ser acessado em dispositivos em sala de aula.

Desafiar a indústria do entretenimento a criar conteúdos positivos para crianças e adolescentes, e defender as regras sobre como os produtos são comercializados para a juventude.

Como o cenário da mídia continua a evoluir a um ritmo acelerado, a AAP apela para um relatório federal sobre o que se sabe com relação aos efeitos da mídia nos jovens, para uma pesquisa mais aprofundada sobre o assunto e para um mecanismo permanente para financiar a investigação sobre os efeitos da mídia.

Acredito que a Sociedade Brasileira de Pediatria deveria se manifestar sobre o assunto e promover pesquisas semelhantes no Brasil para que possamos orientar nossos pais e nossas crianças e adolescentes a conviver de forma saudável com as mídias. Afinal, elas vieram para ficar e estão cada vez mais presentes na vida de todos.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Children, Adolescents, and the Media (COUNCIL ON COMMUNICATIONS AND MEDIA)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Marcia Cristina Palopoli Gracinski disse:

    Meu filho de 22 anos chega do trabalho ou faculdade liga o computador e fica até tarde tenho que ficar toda hora pedir para desligar ,isto qdo chega sabado e domingo que ele mem vem almoçar com a familia não se enteressa pelos asuntos da casa não ve tv vai mal na faculdade chamo atnção dele fica nervoso e se tem contato com pessoas viciadas em jogos de computador marquei consulta com psicologo para dia 14/01 para salvar meu filho deste vicio do computador.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade