PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Hipertensão e obesidade na adolescência
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Hipertensão e obesidade na adolescência

Hipertensão e obesidade na adolescência

26/05/2017
  812   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

No Brasil, um país muito miscigenado, não temos o costume de avaliar epidemiológicamente nossa população de acordo com sua etnia ou raça. Nos EUA é muito comum, quase obrigatório, este dado epidemiológico.

A raça e a etnia podem inclinar a escala sobre a frequência com que adolescentes com obesidade também desenvolvem hipertensão, de acordo com um novo estudo na Pediatrics de maio de 2017.

Para o estudo, “Raça e obesidade em adolescentes com Hipertensão “, os pesquisadores mediram a pressão arterial, juntamente com altura e peso para o cálculo do índice de massa corporal (IMC), de mais de 21.000 adolescentes na cidade de Houston no Texas (Estado Norte Americano na divisa com o México) entre 2000 e 2015.

As leituras foram realizadas em três ocasiões distintas para identificar estudantes, com idade entre 10 e 19 anos, com hipertensão mantida no período. Em geral, cerca de um terço dos adolescentes estavam com sobrepeso ou obesidade e os alunos nestas categorias tinham as taxas globais de hipertensão.

Os pesquisadores observaram um aumento desproporcional na prevalência de hipertensão entre os estudantes obesos hispânicos e brancos (7,7% e 7,4%, respectivamente). Por outro lado, enquanto os negros apresentaram a maior prevalência de hipertensão arterial entre os indivíduos com peso normal (2%) e sobrepeso (2,8%), apresentaram a menor taxa de hipertensão entre os obesos (4,5%). A faixa de alunos de procedência asiática apresentou taxas mais baixas de hipertensão em todos os grupos de IMC.

Como a doença cardiovascular de início precoce se torna um problema crescente entre a juventude dos EUA, os autores do estudo disseram que suas descobertas suportam a necessidade de uma abordagem variável à interpretação do IMC em uma população racial e etnicamente diversa. No Brasil não achei dados referentes a esse artigo para fazer a comparação.

Saiba mais sobre este assunto:

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/excesso-de-peso-e-o-risco-de-doenca/

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics – April 2017

  1. Race and Obesity in Adolescent Hypertension

Eric L. Cheung, Cynthia S. Bell, Joyce P. Samuel, Tim Poffenbarger, Karen McNiece Redwine, Joshua A. Samuels

  1. Prevalência de hipertensão arterial entre adolescentes: revisão sistemática e metanálise

Vivian Siqueira Santos Gonçalves, Taís Freire GalvãoII, Keitty Regina Cordeiro de AndradeIII, Eliane Said Dutra,  Maria Natacha Toral Bertolin, Kenia Mara Baiocchi de Carvalho, Mauricio Gomes PereiraIII

http://www.scielo.br/pdf/rsp/v50/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872016050006236.pdf

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade