PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Intoxicação alimentar
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Intoxicação alimentar

Intoxicação alimentar

04/03/2011
  653   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Na época do verão e de muitas viagens em família, os pais ficam preocupados com a alimentação de seus filhos, que foge das regras diárias, pensando já em evitar qualquer surpresa desagradável, como uma intoxicação alimentar. “É muito importante que os pais selecionem bem os alimentos dados para as crianças”, explica a Doutora Fátima Fernandes.

Uma pesquisa realizada em São Paulo revela que 27% dos casos de intoxicação alimentar estão relacionados ao consumo de alimentos em casa e 24% ingeridos na rua. Até o ano de 2005, mais de 5.000 crianças de até 14 anos de idade foram internadas com intoxicação alimentar. Esse número costuma ser maior, já que nem sempre as vítimas de intoxicação recorrem aos hospitais”, opina a pediatra.

Bactérias mais agressivas podem até implicar com o sistema nervoso, causando paralisias e até a morte. Como os microorganismos não escolhem o local do ataque, em casa também são necessários cuidados na cozinha. Alimentos que ficam fora da geladeira no inverno, exigem um cuidado maior no período do verão, com as altas temperaturas o ambiente fica sujeito ao desenvolvimento de bactérias.

Uma intoxicação alimentar costuma durar de poucas horas a alguns dias. É muito importante que nesse período a criança beba muita água, evitando assim uma desidratação ou uma alimentação controlada. A recomendação médica é escolher sempre alimentos mais leves e de fácil digestão, como sopas, purê, entre outros. Persistindo esse quadro por mais de três dias deve-se procurar ajuda médica.

Pulicado por Instituto Pensi

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade