PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O impasse das birras
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O impasse das birras

O impasse das birras

21/01/2013
  623   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Quem nunca viu ou passou vergonha por causa desse comportamento das crianças?

Birra Infantil

É difícil para as crianças guardar para si sentimentos muito fortes. Quando elas se sentem frustradas ou com raiva, muitas vezes as reações de chorar, gritar ou espernear é o que conseguem fazer para diminuir esse sentimento de frustração.

Trata-se de um acesso de birra infantil e ela faz parte do desenvolvimento normal do seu filho. Geralmente, as crianças começam com esse comportamento em torno dos 12 a 18 meses, pioram entre 2 e 3 anos e diminuem logo que são capazes de usar palavras para comunicar seus desejos e necessidades.

Como lidar com as birras?

1. Tentar manter a calma nem sempre é fácil. Se você gritar ou ficar com raiva, pode piorar as coisas. Se você não ficar tranquilo, deixe a sala, espere um minuto ou dois, ou até que a criança pare de chorar, e retorne para conversar sobre o ocorrido;

2. Distraia o seu filho. Tente um novo jogo, livro ou brinquedo. Às vezes, algo tão simples como mudanças de posição pode evitar uma birra. Por exemplo, se você estiver dentro de casa, leve seu filho para fora e distraia sua atenção com alguma coisa (planta, o céu, um animal, etc.);

3. Dê ao seu filho um castigo. Leve-o para longe do problema e deixe-o um tempo sozinho para se acalmar. Uma boa regra para o castigo é a de 1 minuto para cada ano de idade do seu filho. Por exemplo, uma criança de 4 anos irá receber 4 minutos de castigo. Após o tempo de espera, fale com o pequeno e tenha certeza que ele entendeu porque ficou isolado. Ensine-o como evitar o problema na próxima vez. Não use um tempo excessivo, pois não funcionará;

4. Se o seu filho está tendo um acesso de raiva em um lugar público, leve-o para casa ou para o carro e, então, converse com ele.

Alguns comportamentos não devem ser tolerados e não devem ser ignorados, como:

1. Bater ou chutar as pessoas;

2. Jogar coisas que podem machucar alguém ou quebrar alguma coisa;

3. Gritar por um longo tempo.

Se essas coisas acontecem, leve o seu filho para longe do problema. Diga com firmeza: “Não bata” ou “Não jogue” para garantir que ele aprenda que esses comportamentos não são corretos.

O que não fazer?

1. Nunca punir seu filho por birras. Ele pode começar a guardar a raiva ou a frustração, o que pode ser ruim para a saúde. Tenha em mente que a criança cresce e ela vai aprender a lidar com as emoções mais fortes;

2. Não se entregue ao seu filho apenas para parar uma birra. Isso ensina a ele que o comportamento faz com que se consiga o que deseja. Além disso, não se sinta culpado por dizer “não” a criança. Defina as regras e não faça exceção. Quando os pais as mudam, é mais difícil os filhos compreenderem quais as regras são firmes e quais não são;

3. Discuta com aqueles que cuidam de seu filho sobre as regras que são realmente necessárias e como ser firme com eles. Isso vale para avós, babás, tios, etc.;

4. Fale sempre firme e mostre que você não gostou da atitude.

Com esses conselhos, você poderá ter uma ideia de como lidar com seu filho e ter um pouco mais de sossego.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Birras: uma parte normal do crescimento (Academia Americana de Pediatria | 2009)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade