PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como os pais podem lidar com as birras dos filhos?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como os pais podem lidar com as birras dos filhos?

Como os pais podem lidar com as birras dos filhos?

01/10/2021
  208   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Quando atuava como pediatra ouvia frequentemente essa pergunta: nosso filho parece facilmente estressado e tem acessos de raiva terríveis. O que podemos fazer para lidar com isso?

Nestes momentos de pandemia com as pessoas mais estressadas e com maior convivência, os momentos de birras e raiva de crianças pequenas podem ser mais comuns do que o habitual.

Como pediatra, vi e ouvi de tudo. Crianças que têm acessos de raiva no meio de uma loja. Crianças que se recusam a comer ou não querem ficar sentadas em um restaurante, o que rapidamente se transforma em gritos e arremessos de comida. Crianças que se soltam da cadeirinha do carro ou chutam outras crianças na escola sem motivo aparente. Pode ser assustador, opressor e desafiador confessar essas situações em voz alta. Os pais muitas vezes se sentem confusos, desnorteados e envergonhados. “Por que meu filho não me escuta? O que eu fiz errado? Há algo de errado com meu filho?”

Às vezes, o comportamento de uma criança é devido a algo que está acontecendo ou aconteceu com ela ou com alguém da família. Para as crianças que têm acessos de raiva ou de birra, pode ser porque ainda não têm palavras para dizer o que as está incomodando. Ou talvez eles não consigam entender o que está acontecendo ao seu redor e os sentimentos fortes sejam difíceis de controlar.

Para muitas famílias, acontecem eventos imprevisíveis, que podem ser traumáticos e afetar a forma como a criança se sente e se comporta. Por exemplo, quando os pais tomam a difícil decisão de se separar ou se divorciar, pode ser muito confuso para os filhos pequenos. Eles podem agir mal, chorar ou sentir-se tristes, perder habilidades de desenvolvimento ou ter problemas para dormir. Alguns têm problemas de concentração e dificuldades na escola.

Eventos potencialmente traumáticos como esses são chamados de experiências adversas na infância (EAIs). Eles podem incluir negligência, abuso de substâncias dos pais, violência doméstica ou morte na família.

Experiências de desigualdades sociais também podem ser traumáticas e desencadear respostas de estresse tóxico. Os exemplos incluem viver na pobreza, separação familiar, ser alvo de racismo ou rejeição devido à orientação sexual ou identidade de gênero. E, certamente, a pandemia COVID-19 causou muitas perdas preocupantes às crianças. Nosso corpo tem sistemas de estresse para nos proteger para que, quando confrontados com uma situação assustadora, estejamos prontos para correr e nos esconder. Essa resposta de lutar ou fugir pode ser acionada sempre que uma criança tem medo de várias coisas, como cachorros, escuridão ou aranhas. Este mesmo sistema também pode ser ativado quando uma criança tem alguma experiência adversa.

No entanto, as experiências adversas da infância tendem a durar mais do que um único momento, o que faz com que os sistemas de estresse das crianças fiquem ligados por muito tempo. Quando isso acontece, o estresse se torna tóxico para a saúde geral. Quanto mais EAIs as crianças enfrentam, mais danos podem sofrer ao longo do tempo. Da mesma forma, a adversidade crônica contínua pode ter um efeito igualmente negativo. Adultos que tiveram um ou mais EAIs quando crianças ou estão expostos a iniquidades sociais crônicas em curso ao longo do tempo correm maior risco de depressão, câncer, doenças cardíacas, diabetes e outras condições de saúde durante sua vida.

A boa notícia é que os pais podem ajudar a proteger as crianças desse estresse antes que ele se torne tóxico. Proporcionar relacionamentos seguros, protegidos e estimulantes (às vezes chamados de “saúde relacional”) ajudam a redefinir o sistema de estresse do corpo. Além disso, pesquisas sugerem que experiências positivas na infância são igualmente importantes.

Uma das experiências positivas mais importantes é despertar momentos de conexão. Isso pode ser por meio da leitura compartilhada de livros, por exemplo, ou pela participação em rotinas familiares e tradições comunitárias. Você também pode modelar como aceitar todas as emoções. A saúde relacional é fundamental para combater a adversidade e promover habilidades de colaboração, conexão e comunicação, essenciais para ajudar as crianças a desenvolver resiliência e prosperar.

Quando a paternidade se torna um desafio, conversar com o pediatra do seu filho é um grande primeiro passo. Os pediatras são treinados não apenas para monitorar o crescimento físico de seu filho, mas também sua saúde socioemocional.

Queremos garantir que todas as crianças e suas famílias tenham os recursos e as habilidades necessárias para prosperar. Para isso, estaremos sempre prontos para ouvir, sem julgamento e com compaixão.

Saiba mais:

 

Fonte: Academia Americana de Pediatria

– Dra. Nerissa S. Bauer

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade