PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Saúde relacional, o outro lado da moeda do estresse tóxico
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Saúde relacional, o outro lado da moeda do estresse tóxico

Saúde relacional, o outro lado da moeda do estresse tóxico

12/08/2021
  278   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Ao longo dos últimos anos venho escrevendo sobre estresse tóxico e sua capacidade de prejudicar o cérebro e toda a vida das crianças. Agora surge um novo conceito, a saúde relacional, que seria as coisas boas que as crianças vivem e o impacto positivo que elas causam no cérebro e assim vão mudar a vida daquela pessoa.

O conceito de estresse tóxico pode ser mais relevante do que nunca, visto que enfrentamos o racismo estrutural, ampliação das disparidades em saúde, problemas educacionais e econômicos e uma pandemia de isolamento social. Uma declaração revisada da política da Academia Americana de Pediatria (AAP) argumenta que, para desenvolver crianças e adolescentes saudáveis e resilientes, as clínicas pediátricas centradas na família precisam ser elementos integrais dos esforços da comunidade para promover a saúde “relacional”.

Saúde relacional  refere-se à capacidade de desenvolver e manter relacionamentos seguros, estáveis e estimulantes com adultos emocionalmente disponíveis, engajados e sintonizados. Os adultos proporcionam às crianças e adolescentes experiências positivas que atenuam a adversidade e desenvolvem as habilidades sociais e emocionais fundamentais necessárias para serem resilientes diante da adversidade.

O estresse tóxico se refere às mudanças moleculares, celulares e comportamentais provocadas por adversidades significativas que ocorrem na ausência de relacionamentos seguros, estáveis e estimulantes. As mudanças induzidas pelo estresse tornam-se então fatores de risco para resultados ruins em saúde, educação e produtividade econômica. O estresse tóxico de adversidades na primeira infância pode se tornar biologicamente incorporado e piorar as trajetórias do curso de vida. O estresse tóxico também explica por que muitas das disparidades mais intratáveis da sociedade começam na infância.

Mas novas evidências sugerem que as experiências positivas da infância devido a relacionamentos estimulantes também são biologicamente incorporadas e melhoram as trajetórias do curso de vida. Campos como epigenética e neurociência do desenvolvimento mostraram que mudanças tóxicas induzidas por estresse, como metilação do DNA e padrões de atividade cerebral, podem ser evitadas e até revertidas por meio de intervenções que promovem a saúde relacional.

Promover a saúde relacional e prevenir o estresse tóxico são duas faces da mesma moeda. O estresse tóxico é um modelo baseado em déficits que descreve o que dá errado na ausência de relacionamentos estimulantes. Por outro lado, a saúde relacional é um modelo baseado em forças que descreve o que dá certo quando as crianças têm relacionamentos seguros, estáveis e estimulantes e experiências iniciais positivas.

Construir saúde relacional é, pelo menos, um empreendimento de duas gerações. Para que as crianças realizem seu potencial biológico, pais e responsáveis – assim como avós, parentes, professores, treinadores e vizinhos – precisam estar em um “modo relacional” e disponíveis, engajados e sintonizados com as necessidades emocionais da criança. Se os adultos no mundo de uma criança estão em “modo de sobrevivência” devido às suas próprias adversidades ou determinantes sociais de saúde, eles são menos capazes de fornecer as experiências de infância positivas fundamentais que amortecem a adversidade e incentivam a resiliência e a saúde relacional na próxima geração.

Construir nossa saúde relacional coletiva é um empreendimento enorme que as clínicas pediátricas centradas na família não podem realizar sozinhas. O estresse tóxico na infância é uma crise de saúde pública e exige uma resposta da mesma que promova a saúde relacional de forma integrada.

Uma abordagem de saúde pública verticalmente integrada que promove a saúde relacional é baseada em prevenções primárias universais que apoiam proativamente relacionamentos estáveis.

Uma abordagem de saúde pública horizontalmente integrada defende políticas e práticas que apoiem a saúde relacional em setores de atendimento à criança e à família fora da medicina, incluindo os sistemas educacionais, de serviço social e de justiça.

Os pediatras costumam pensar na saúde relacional como sendo principalmente diádica (por exemplo, pais e filhos), mas também é intrafamiliar (“a dinâmica familiar é nutritiva ou severa?”) e social (“nossas normas sociais e padrões de comportamento são inclusivos ou exclusivos; restaurador ou punitivo? ”).

Em suma, o estresse tóxico define o problema. O estresse tóxico explica como muitos dos problemas mais intratáveis da sociedade (disparidades em saúde, educação e instabilidade econômica) estão enraizados em nossa biologia compartilhada, mas em experiências e oportunidades divergentes. A saúde relacional define a solução. A saúde relacional explica como as capacidades individuais, familiares e comunitárias que apoiam o desenvolvimento de relacionamentos seguros, estáveis e estimulantes também protegem as adversidades e criam resiliência ao longo do curso de vida.

Saiba mais:
https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/meditacao-para-diminuir-o-estresse-toxico/
https://institutopensi.org.br/ate-quando/
https://institutopensi.org.br/livros-constroem-cerebros-e-ligacoes-afetivas

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade