PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O perigo da arma de fogo para crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O perigo da arma de fogo para crianças

O perigo da arma de fogo para crianças

23/06/2017
  932   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

No ano de 1997, no Brasil, cerca de 7% do total gasto com internações hospitalares pelo Sistema Único de Saúde foram devido às causas não naturais, entre elas os acidentes por causas externas, como os acidentes automobilísticos, os ferimentos por arma branca e os ferimentos por arma de fogo. Em 2000, no país, 35% das internações hospitalares por causas externas ocorreram na faixa etária dos 15 aos 24 anos, e 37% dos 25 aos 39 anos, sendo que o sexo masculino compôs 84% do total desses pacientes (Souza, 2005).

Uma pesquisa que está sendo apresentada na Reunião de Sociedades Acadêmicas Pediátricas de 2017 mostra a maioria das lesões causadas por arma de fogo nos EUA em crianças mais novas não intencionais, com a maioria entre 15 a 19 anos de idade, o resultado de agressão.

Uma nova pesquisa sendo destacada na Reunião de Sociedades Acadêmicas Pediátricas de 2017 em San Francisco revela que ferimentos com armas de fogo causaram a hospitalização de mais de 5.800 jovens norte-americanos em 2012, ou cerca de 16 crianças por dia.

O resumo do estudo, ” Hospitalizações pediátricas devido a lesões de armas de fogo nos EUA em 2012 “, foi apresentado no di 8 de maio, no Moscone West Convention Center. Para o estudo, os investigadores examinaram a Agência de Investigação de Saúde e Qualidade de Cuidados de Saúde custo e Utilização do Projeto Kids ‘Inpatient Database (KID), que rastreia internação hospitalar para crianças.

Além de fornecer estatísticas sombrias sobre o número total de crianças feridas por armas, o estudo também mostrou padrões demográficos e socioeconômicos ligados às lesões:

  • Embora a maioria das lesões em crianças com idade inferior a 15 anos não foram intencionais, a maioria entre 15 a 19 anos de idade foram o resultado de agressão.
  • Quase 90% dos pacientes com arma de fogo eram do sexo masculino e, desproporcionalmente, mais da metade dos pacientes admitidos com lesões por arma de fogo eram negros.
  • Mais da metade das crianças hospitalizadas por ferimentos de bala (53%) viviam em um código postal que caía dentro da renda familiar média de 25%. Aproximadamente a mesma quantidade tinha Medicaid (atendimento garantido pelo governo americano, o que ocorre em crianças até 12 anos em geral).

O tempo médio de hospitalização foi de 6 dias, custando uma média de 22.644 dólares por estadia. O total estimado de custo nacional das internações foi de US $ 130 milhões.

“Nossas descobertas acrescentam urgência à necessidade de medidas preventivas de saúde pública para reduzir as lesões de armas em crianças”, disse o autor principal Alyssa H. Silver. ” O fato de que 57% das lesões causadas por armas de fogo em crianças menores de 15 anos não foram intencionais, por exemplo, destaca a necessidade de melhorar a segurança das armas e as práticas de armazenamento. O Dr. Silver também pediu um aumento do financiamento da pesquisa para estudos adicionais sobre lesões de armas de fogo pediátricas, juntamente com outras grandes ameaças à saúde das crianças. Durante o ano fiscal de 2016-17, ela observou que apenas US $ 2,2 milhões em financiamento federal foram fornecidos através dos Institutos Nacionais de Saúde para pesquisas relacionadas com armas de fogo, comparado com US $ 444 milhões para pesquisas sobre o vírus Zika e US $ 286 milhões para estudos de fibrose cística.

Segundo o Ministério da Saúde do Brasil, aproximadamente 1200 crianças e adolescentes morrem por arma de fogo no país em acidentes, suicídios e outros eventos de intenção indeterminada em todos os anos. Além disso, 70% dos homicídios no Brasil são cometidos por armas de fogo. Milhares de mortes poderiam ter sido evitadas se não houvesse uma arma por perto.

O Mapa da Violência 2015 revela que 42.416 pessoas morreram em 2012 vítimas de arma de fogo no Brasil, o equivalente a 116 óbitos por dia. Essa cifra é ainda mais acentuada entre os jovens, que correspondem a cerca de 59% das estatísticas.

Já a taxa de mortalidade de jovens por armas de fogo atingiu 47,6 para cada 100 mil habitantes, em 2012. Portanto, mais que o dobro da taxa registrada para a população total (21,9). Tanto a taxa quanto o número absoluto de jovens mortos por armas de fogo em 2012 são os mais altos já registrados pelo Mapa da Violência desde 1980.

De acordo com o levantamento, os dados de 2012 interromperam um leve movimento de queda, que havia sido constatado em 2010 e 2011, no número de mortos e nas taxas de mortalidade por disparo de armas de fogo no país, na população em geral e na faixa de 15 a 29 anos.

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/armas-de-fogo-as-criancas-e-jovens/

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

  1. Fonte: Pediatrics 2017 Pediatric Academic Societies Meeting “Pediatric Hospitalizations due to Firearm Injuries in the U.S. in 2012,”
  2. http://www.uff.br/mmi/ped/Adolescentes%20e%20armas%20de%20fogo.pdf
  3. https://oglobo.globo.com/mundo/acidentes-domesticos-com-armas-de-fogo-matam-100-criancas-por-ano-nos-eua-diz-relatorio-13031279
  4. http://www.soudapaz.com.br/noticia/campanha-alerta-para-o-risco-de-acidentes-com-criancas-e-armas-de-fogo
  5. https://nacoesunidas.org/unesco-mapa-da-violencia-revela-que-116-brasileiros-morrem-todos-os-dias-por-arma-de-fogo/
  6. http://www.nevusp.org/downloads/down094.pdf

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade