PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Obesidade familiar e o desenvolvimento das crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Obesidade familiar e o desenvolvimento das crianças

Obesidade familiar e o desenvolvimento das crianças

10/01/2017
  435   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Hoje em dia a capacidade de cientistas fazerem relações entre vários fatores e alguma doença ou situação é muito grande. Procuramos neste espaço trazer novidades científicas ou alertas sobre coisas que podem afetar a vida das crianças e dos adolescentes. Este seria o caso de uma relação curiosa entre a obesidade dos pais e o grau de desenvolvimento das crianças na primeira infância.

Um novo estudo na revista Pediatrics, da Academia Americana de Pediatria, considera que obesidade familiar (materno e paterna) podem estar associadas com específicos marcos de atrasos no desenvolvimento da primeira infância.

No estudo, “A obesidade Parental e Desenvolvimento da Primeira Infância”, publicado na edição de janeiro de 2017, as mães recrutadas no Estado de Nova Iorque (excluindo Nova York) que completaram um questionário de triagem de desenvolvimento começando quando seus filhos tinham 4 meses de idade, e novamente em 8, 12, 18, 24, 30 e 36 meses de idade. O estudo, realizado entre 2008 e 2010, analisou os dados com base em avaliações de mais de 4.800 crianças. Comparadas às mães normais ou subnutridas, as crianças de mães obesas tinham maior probabilidade de apresentar atraso nas funções motoras finas (escrever, desenhar, pegar coisas pequenas, etc.). Aqueles cujos pais eram obesos mostraram um risco aumentado de também terem problemas nas medidas pessoais de funcionamento social (socialização, linguagem, etc). Filhos de dois pais classificados como obesos (índice de massa corporal igual ou superior a 35) tiveram maiores chances de apresentar problemas em vários domínios, incluindo habilidades motoras finas, funcionamento pessoal e social e resolução de problemas.

Como sabemos que a obesidade é considerada um dos males da civilização moderna, portanto cada vez mais pais obesos terão filhos, cabe aos médicos, pediatras, obstetras e outros levarem os eventuais malefícios que os filhos desta família podem ter. Os autores enfatizam a importância da obtenção de informações familiares ao rastrear e acompanhar o desenvolvimento infantil.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics January 2017

Parental Obesity and Early Childhood Development

Edwina H. Yeung, Rajeshwari Sundaram, Akhgar Ghassabian, Yunlong Xie, Germaine Buck Louis

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade