PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Os traumas e a recuperação
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Os traumas e a recuperação

Os traumas e a recuperação

15/08/2013
  358   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estudo aponta que crianças e adolescentes sentem mais os efeitos das concussões no segundo choque

Os traumas e a recuperação

Uma das coisas que mais preocupam os pais é quando os filhos batem a cabeça, o que pode gerar um trauma. Essa situação é muito comum quando a criança começa a andar e cai com frequência. Muitas vezes, isso ocorre sem que os responsáveis saibam, como quando ela pratica esportes ou atividades como andar de bicicleta. Os americanos se preocupam muito com essa situação e, inclusive, há a recomendação de não cabecear uma bola no futebol.

Crianças e adolescentes que sofrem uma concussão (trauma na cabeça) possui um tempo de recuperação muito longo em comparação a algum incidente desse tipo que aconteceu no passado. No estudo,  “Time Interval Between Concussions and Symptom Duration”, os pesquisadores estudaram 280 pacientes com idades entre 11 e 22 anos que foram tratados no departamento de emergência por sintomas de concussão e que tiveram mais de um trauma.

O estudo indica que o efeito do choque está relacionado à proximidade no tempo em que dois episódios desse tipo aconteceram. As crianças que tiveram uma segunda concussão dentro de um ano apresentaram cerca de três vezes a duração média dos sintomas em comparação àquelas cujos traumas ocorreram com um intervalo de mais de um ano.

O número de traumas anteriores também afetou o tempo de recuperação. Um episódio anterior, com duas ou mais concussões, resultaram em uma maior duração dos sintomas em comparação com aqueles que experimentaram nenhum ou um único choque anterior.

Outros fatores que predisseram um tempo de recuperação maior foram as crianças com 13 anos ou mais, que apresentaram sintomas mais graves no momento da visita ao hospital e não tiveram perda de consciência.

Os autores do estudo concluem que esses resultados têm implicações diretas na gestão e no tratamento de crianças e de adolescentes com concussões, especialmente aqueles com alto risco de choques futuros, tais como atletas estudantis.

Resolvi colocar este trabalho para alertar os pais cujos filhos fazem esportes e atividades radicais com risco de queda, tais como skate, bicicleta e patins, cada vez mais frequentes em São Paulo e nos grandes centros urbanos.

Saiba mais sobre as concussões e traumas lendo no ABC da saúde.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Time Interval Between Concussions and Symptom Duration | Pediatrics 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade