PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Porte de arma entre os jovens
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Porte de arma entre os jovens

Porte de arma entre os jovens

03/09/2013
  399   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Uma pesquisa aponta os principais motivos que fazem os adolescentes tomarem atitudes agressivas

Porte de arma entre os jovens

Durante o mês de julho, os jovens foram às ruas clamar por um Brasil melhor. Em maioria, o que se viu foram manifestações pacíficas. Porém, quem mora nas grandes cidades, sempre se depara com notícias sobre jovens mortos por violência em assaltos, brigas e acidentes.

Na revista Pediatrics de agosto, li um artigo que assusta quem tem filhos adolescentes, embora nossa realidade seja bem diferente quando o assunto é porte de arma entre os jovens, algo muito comum entre os americanos.

A violência armada é a segunda principal causa de morte entre aqueles que vivem nos Estados Unidos, com idades entre 14 e 24 anos. Em um estudo, pesquisadores da Universidade de Michigan analisaram a demografia de:

• Porte de arma;

Comportamento agressivo;

Abuso de substâncias;

• Histórico de violência.

Entre os 689 jovens de alto risco, o departamento de emergência urbana relatou que 23% teve alguma lesão durante um assalto com porte de arma. Em média, adolescentes do sexo masculino eram mais propensos a ter um revólver em comparação às meninas. Cerca de 14% dos jovens tinham idade inferior a 18 anos e 32% tinham filhos.

Jovens com armas de fogo eram mais propensos a usar drogas ilícitas, a se envolver em uma luta séria e a endossar atitudes agressivas que aumentam o risco de violência retaliatória. Um total de 37% confirmou que tinham uma arma, principalmente para proteção. Porém, a maioria acreditava que “a vingança é uma coisa boa” e que era “ok machucar as pessoas se fossem provocadas em primeiro lugar”.

Os autores do estudo concluem que a prevenção de lesões são esforços que devem se concentrar em minimizar o acesso de armas de fogo entre os jovens de alto risco por meio da promoção de alternativas não violentas para a violência retaliatória e para a prevenção de abuso de substâncias.

Como se vê, as coisas são diferentes. Mas nem tanto. Os jovens menores de idade praticam crimes horrorosos e são encaminhados para programas de assistência social onde não se recuperam. Em parte devido aos bandidos que entram de forma ilegal no país e às drogas em abundância nas ruas das Cracolândias. Está na hora da sociedade rever as leis e as políticas para pressionar os governos a agirem de forma mais eficaz.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade