PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Sal e gordura nem sempre são ruins
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Sal e gordura nem sempre são ruins

Sal e gordura nem sempre são ruins

20/01/2014
  540   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

As crianças podem consumir esses alimentos, desde que os pais imponham moderação

Sal e gordura

Forçar crianças a comer não funciona. Muito menos proibir. Quando elas pensam que um alimento é proibido por seus pais, a comida, muitas vezes, torna-se mais desejável e atraente, fazendo com que elas procurem escondidas.

É importante que os adultos sejam sensatos ao permitir a criança desfrutar de todos os alimentos e bebidas, sem exagerar em qualquer tipo de alimento. Doces e lanches com maior teor de gordura em porções apropriadas são permitidos, desde que com moderação.

Abaixo, eis algumas informações sobre gordura, açúcar e sal seguidas de recomendações dietéticas baseadas no que foi proposto pelo Departamento de Agricultura dos EUA e do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

Incentivar alimentação saudável para um coração saudável

A infância é o melhor momento para criar hábitos alimentares saudáveis, mas as metas do adulto para cortar na gordura total, saturada e trans, e colesterol não são recomendadas para crianças menores de 2 anos.

A gordura é um nutriente essencial para crianças

Ela fornece a energia, ou calorias, para as que estão em fase de crescimento e com alta atividade metabólica. Não deve ser severamente restringida.

Perigos da alta ingestão de gordura

No entanto, a ingestão de alto teor de gordura, particularmente uma dieta rica na versão saturada, pode causar problemas de saúde, incluindo doenças cardíacas na vida adulta. As gorduras saturadas são normalmente sólidas a temperatura ambiente e são encontradas em carnes gordas (tais como carne bovina, carne de porco, presunto, carne de vitela e de cordeiro) e muitos produtos lácteos (leite integral, queijo e sorvete).

Lista de alimentos mais saudáveis e com baixo teor de gordura e de colesterol para crianças com mais de 2 anos:

• Aves domésticas;

• Peixe;

• Carne magra (assada, cozida ou assada, não frita);

• Margarina macia (ao invés de manteiga);

• Produtos lácteos com baixo teor de gordura;

• Óleos de baixa gordura saturada de legumes;

• Limitar o consumo de ovos.

A regra geral para as gorduras

Como orientação geral, as gorduras devem compor menos de 30% das calorias na dieta do seu filho e não mais do que cerca de um terço ou menos dessas calorias de gordura saturada e o restante a partir de gorduras insaturadas, polinsaturadas ou monoinsaturadas, que são líquidas a temperatura ambiente e incluem os óleos vegetais tais como o milho, girassol, soja, e o de oliva.

Alguns pais acham confusas as informações sobre vários tipos de gordura. Em geral, os óleos e as gorduras derivadas de origem animal são saturados. O lugar mais fácil de começar é meramente para reduzir a quantidade de alimentos gordurosos de todos os tipos na dieta da sua família.

Nota: o leite integral é recomendado para crianças de 12 a 24 meses de idade. No entanto, o médico do seu filho pode recomendar leite com teor de gordura reduzido (2%) se ele é obeso ou acima do peso ou se houver um histórico familiar de colesterol elevado ou doença cardíaca. Verifique com o médico ou nutricionista antes de mudar de todo o leite com gordura reduzida. Sirva crianças com alimentos pobres em sal.

O sal de mesa, ou cloreto de sódio, pode melhorar o sabor de certos alimentos. No entanto, os pesquisadores descobriram uma relação entre o sal na dieta e a pressão arterial elevada em alguns indivíduos e grupos populacionais. Ela atinge cerca de 25% dos adultos americanos e contribui para ataques cardíacos e derrames.

Tire o saleiro da mesa, pois o hábito de usar sal extra é adquirido. Assim, tanto quanto possível, sirva alimentos pobres em sal. Na cozinha, minimize a quantidade que você adiciona na comida durante a preparação.

Verifique os níveis de sódio em alimentos processados.

Os alimentos processados, muitas vezes, contêm maior quantidade de sódio. Verifique os rótulos dos alimentos para os níveis de sódio em:

• Queijo fundido;

• Pudins instantâneos;

• Conservas de legumes;

• Sopas enlatadas;

• Cachorros-quentes;

• Requeijão;

• Molhos para salada;

• Picles;

• Alguns cereais matinais;

• Batatas fritas e outros petiscos;

• Açúcar na dieta do seu filho: mais do que apenas um adoçante.

Adoçantes variam de açúcares simples, como frutose e glicose, açúcar comum de mesa, melado, mel e xarope de milho rico em frutose. Embora o principal uso do açúcar é como um adoçante, açúcar tem outros usos. Por exemplo, o açúcar pode ser usado como um conservante, podem alterar a textura dos alimentos, e pode melhorar o sabor e adicionar cor.

Os açúcares nos alimentos, sejam eles naturais ou adicionados, fornecem calorias (o combustível que fornece energia necessária para as atividades diárias). E, se for dada a escolha, muitas crianças, provavelmente, solicitarão alimentos açucarados e bebidas no café da manhã, almoço e jantar. De acordo com a pesquisa, os seres humanos são naturalmente atraídos para sabores doces.

Os pais devem ter em mente que as calorias de açúcar podem crescer rapidamente e, com o tempo, pode levar ao ganho de peso, além de promover o desenvolvimento da cárie dentária.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Academia Americana de Pediatria

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade