PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Telas portáteis estão vinculadas a atrasos de fala em crianças pequenas
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Telas portáteis estão vinculadas a atrasos de fala em crianças pequenas

Telas portáteis estão vinculadas a atrasos de fala em crianças pequenas

06/06/2017
  1778   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Uma nova pesquisa que está sendo apresentada na Reunião de Sociedades Acadêmicas Pediátricas de 2017 sugere que quanto mais tempo as crianças menores de 2 anos gastarem jogando com smartfones, tablets e outras telas portáteis, mais provável será que comecem a falar mais tarde.

Como o número de smartphones, tablets, jogos eletrônicos e outras telas portáteis em casas dos EUA continua a crescer, algumas crianças começam a usar esses dispositivos antes de começar a falar. Uma nova pesquisa apresentada no Encontro de Sociedades Acadêmicas Pediátricas de 2017 sugere que essas crianças podem estar em maior risco de atrasos na fala.

Os pesquisadores apresentaram o resumo do estudo, “O uso do tempo de tela de mão é associado com atraso de linguagem em bebês?” que incluiu 894 crianças entre as idades de 6 meses e 2 anos participantes do “Target Kids”- uma rede de pesquisa prática baseada em Toronto, entre 2011 e 2015.

Em seus testes em crianças de 18 meses, 20% das crianças tinham um uso médio diário de dispositivos portáteis de 28 minutos, de acordo com seus pais. Com base em uma ferramenta de rastreamento para o atraso da linguagem, os pesquisadores descobriram que quanto mais tempo na tela de mão do pai de uma criança relatada, mais provável que a criança tenha atrasos na fala expressiva. Para cada aumento de 30 minutos no tempo da tela portátil, os pesquisadores descobriram um risco aumentado de 49% de atraso expressivo da fala. Não houve ligação aparente entre o tempo de tela do dispositivo portátil e outros atrasos de comunicação, como interações sociais, linguagem corporal ou gestos.

Os dispositivos portáteis estão em toda parte estes dias. Embora as novas diretrizes pediátricas sugiram limitar o tempo de tela para bebês e crianças, acreditamos que o uso de smartphones e tablets com crianças pequenas tornou-se bastante comum. Este é o primeiro estudo para relatar uma associação entre tempo de tela portátil e aumento do risco de atraso na linguagem expressiva.

O pesquisador disse que os resultados apoiam uma recente recomendação de política da Academia Americana de Pediatria para desencorajar qualquer tipo de mídia de tela em crianças menores de 18 meses. Mais pesquisas são necessárias para entender o tipo e conteúdo das atividades da tela que os bebês estão envolvidos para explorar os mecanismos por trás do aparente vínculo entre o tempo de tela do computador portátil e o atraso de fala, como o tempo gasto junto com os pais em dispositivos portáteis e compreender o impacto em resultados de comunicação em profundidade e a longo prazo na primeira infância.

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/?s=telas

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: “O uso do tempo de tela de mão é associado com atraso de linguagem em bebês?”

Apresentado no dia 6 de maio, no Centro de Convenções Moscone West, em São Francisco

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade