PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Teste da orelhinha e a surdez infantil
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Teste da orelhinha e a surdez infantil

Teste da orelhinha e a surdez infantil

17/01/2012
  720   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O diagnóstico precoce de problemas auditivos em recém-nascidos é importante para se evitar problemas futuros

A cada 1.000 crianças, de uma a três são surdas ou tem dificuldades com a audição desde do nascimento. Já os bebês de UTI Neonatal, o número varia de dois a seis, a cada 1.000 recém-nascidos. A avaliação auditiva neonatal, limitada aos bebês com risco, é capaz de identificar apenas 50% dos que têm perda auditiva. O percentual aumenta cerca de 1,6 a cada 1.000 adolescentes.

A triagem auditiva neonatal é obrigatória por lei municipal nº 3028, de 17 de maio de 2000, em São Paulo e, no Brasil inteiro desde o dia 2 de agosto de 2010, o exame é obrigatório.

Trata-se de um programa de avaliação da audição em recém-nascidos, indicada por instituições do mundo todo para diagnóstico precoce de perda auditiva, uma vez que sua incidência, na população geral, é de um a dois por 1000 nascidos vivos. O exame é indolor, é feito com a colocação de um pequeno fone na parte externa do ouvido e tem a duração média de três a cinco minutos.

A prestação de cuidados médicos para este grupo de crianças apresenta desafios especiais para os profissionais da saúde. Eles devem estar cientes da incidência das possíveis comorbidades (duas ou mais doenças relacionadas ou similares), e maior frequência de erros médicos.

A revisão feita para os profissionais de saúde da Comunidade Europeia e publicada no Jornal de Pediatria Europeu, de outubro de 2011, traz boas informações para quem se interessar pelo assunto. Também descreve os desafios da comunicação e as questões médicas, éticas e legais que um médico pode experimentar quando confrontado com esses pacientes.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Jornal Europeu de Pediatria (Dados da Publicação: 2011/01/11):
“Prática clínica. A abordagem ao paciente surdo ou de audição pediátricos” – Anika S. Smeijers, Martina H. Ens-Dokkum, Beppie van den Bogaerde e Anne Marie Oudesluys-Murphy

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade